18/04/2021 - Parede falsa com respiradores, mas tudo está “sob controle”
Notícia de licitação.
      

R7
Patricia Lages 

 

Foram encontrados escondidos 19 respiradores em hospital no Pará, mas governo afirma que nenhum paciente foi prejudicado

 

O Hospital Regional Dr. Abelardo Santos, no município de Icoaraci, a 20 quilômetros de Belém (PA), é referência no tratamento à covid-19. A instituição tomou conta dos noticiários não por sua luta no combate à pandemia, mas sim, em razão de uma descoberta inusitada.

 

Durante uma vistoria, que aparentemente tinha tudo para ser apenas um procedimento padrão devido à troca de gestão, foi encontrada uma parede falsa escondendo 19 respiradores novos. Segundo funcionários do hospital, foi preciso quebrar o local para poder retirar os aparelhos. Apesar disso, o governo do estado nega que a parede fosse falsa e afirma que nenhum paciente foi prejudicado.

 

Segundo informações do MP-PA (Ministério Público do Pará), no início da pandemia foram adquiridos 400 respiradores ao preço de R$ 126 mil cada, somando um total de R$ 50,4 milhões. Porém, as primeiras 152 unidades entregues não puderem ser instaladas. Suspeitando de fraudes nos contratos emergenciais sem licitação, o MP Pará deu início a uma investigação conjunta com o Ministério Público Federal e a Polícia Federal. A Polícia Civil do estado também deu início, em outubro de 2020, à operação Quimera para apurar supostas fraudes nas compras dos ventiladores por parte da Secretaria Municipal de Saúde de Belém.

 

Os primeiros aparelhos com defeito foram devolvidos e, segundo informações da Procuradoria Geral do Estado, o valor de R$ 25,2 milhões – referente ao pagamento de 50% do contrato – foi devolvido aos cofres públicos. O governador Helder Barbalho, em um vídeo divulgado em suas redes sociais, declarou: “Vamos lutar para rapidamente garantir que novos respiradores possam chegar e para que novos leitos de UTI sejam abertos”. Ao que tudo indica, os novos respiradores chegaram, mas, pelo menos 19 deles, nunca foram instalados em leitos de UTI.

 

Se o preço pago pelos respiradores escondidos na parede falsa foi de R$ 126 mil como as unidades anteriores, estamos falando da ocultação de quase R$ 2,4 milhões do dinheiro dos contribuintes. Mas o que jamais poderemos contabilizar são as vidas de pacientes que podem, sim, ter sido prejudicadas – e até mesmo perdidas – pela falta dos aparelhos. E, ainda que tenhamos a boa vontade de considerar que esses 19 respiradores realmente não tenham sido necessários naquela unidade hospitalar, por que não foram encaminhados para outro local?

 

A cada dia temos mais e mais provas de que a pandemia no Brasil tem servido muito bem aos interesses de verdadeiras quadrilhas que sempre saquearam o país, mas que agora o fazem escondendo-se atrás da parede falsa de salvar vidas. Que todas as paredes caiam e que tudo o que há de oculto nelas venha ser exposto. Nunca foi por vidas, sempre foi por intere$$e.

Análise da página "18-4-21-parede"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 14 | Número de avaliações: 27
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
 
 
 
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa