19/08/2019 - Audiência pública discute licitação dividida em lotes para cogestão unidades prisionais no Amazonas
Notícia de licitação
 

G1 AM

 

Projeto leva em consideração medidas exigidas por órgãos de controle, principalmente após rebeliões.

 

Um projeto básico que vai instruir a contratação de empresas cogestoras para oito unidades prisionais do Amazonas foi discutido em um audiência pública entre membros da sociedade civil, gestores das empresas e representantes de órgãos, na sexta-feira (19). Entre as principais medidas está a proposta da realização de uma licitação dividida em lotes para a cogestão das oito unidades, o que possibilita a contratação de diferentes empresas para cada um dos lotes.

 

A nova licitação vai abranger a cogestão do Compaj, Penitenciária Feminina de Manaus, Centro de Detenção Provisória Feminino, Centros de Detenção Provisória Masculinos I e II, Unidade Prisional do Puraquequara, Instituto Penal Antônio Trindade e Unidade Prisional de Itacoatiara, segundo o governo.

 

Segundo a Promotora de Justiça do MPE-AM, Cristiane Corrêa, a audiência pública foi importante para abrir a discussão para outras instituições e, dessa forma, chegar ao melhor modelo de gestão das unidades prisionais.

 

“Hoje, como nós vemos, nós estamos tratando da terceirização, porque a gestão ela é do Estado, e assim deveria ter sido ao longo de todos os anos. Então, com a audiência pública, podemos ver as cláusulas do projeto básico, apontar situações que precisam de melhora e, além disso, nós permitimos que as empresas que vão concorrer possam saber aquilo que o Estado espera delas”, afirmou a promotora.

 

Projeto Básico

 

A construção do projeto básico foi feita pelo Governo do Estado com a consultoria da Fundação Getúlio Vargas (FGV). De acordo com o documento, para reduzir custos, a proposta é realizar uma licitação com prazo de 30 meses, com cada contrato discriminando a composição de custos, o que dará transparência ao que, de fato, o Estado estará pagando nas novas contratações.

 

Para isso, serão discriminadas as despesas de custo fixo e variáveis, bem como haverá um novo dimensionamento da necessidade de mão de obra para atender cada unidade prisional.

 

“Nós estamos terminando o trabalho, já fizemos o projeto base, agora estamos na audiência pública, estamos abertos às modificações que forem demandadas aqui durante a audiência pública para terminar o processo e, em mais 15, 20 dias, botar a licitação na rua”, explicou o coordenador de projetos da FGV, José Eduardo Quintella, por meio da assessoria.

 

Segundo o secretário da Seap, tenente-coronel Vinicius Almeida, o novo projeto básico foi elaborado para tornar o processo de cogestão mais transparente, mais eficiente e com menor custo ao estado.

 

“Isso é fundamental para que nós possamos colher as ideias das pessoas que aqui se apresentaram e buscar atender ao máximo possível os anseios da sociedade. A visão da secretaria é que a gente busque maior eficiência nesses contratos e maior transparência. Deixando claro que essa audiência pública, que já faz parte do processo licitatório, é uma exigência da lei”, explicou o secretário.

 

Exigências

 

O projeto básico também leva em consideração medidas exigidas por órgãos de controle, principalmente após a rebelião e mortes ocorridas, em janeiro de 2017, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).

 

Para o defensor público Theo Eduardo, termos do contrato precisam ser discutidos para garantir, sobretudo, a segurança dos detentos e de funcionários das unidades prisionais. Um dos temas levados para o debate foi a constante movimentação de detentos para atendimentos jurídicos realizados pela DPE-AM.

 

“Inicialmente, esses atendimentos estão funcionando em regime de mutirão, mas a ideia é iniciar um atendimento diário e padronizado. Em razão disso, vai ter uma movimentação diária dos presos, uma movimentação significativa e a Defensoria Pública tem uma preocupação da empresa terceirizada garantir um deslocamento mínimo dos internos que estão nos raios para as salas da Defensoria Pública, no intuito de fazer este atendimento. Quanto mais rápido a movimentação, sem atrasos, nós conseguiremos atender um número maior de internos”, explicou o defensor público.

Análise da página "19audiiiiienciapubl"   

Avaliação: 4 de 10 | Comentários: 19 | Número de avaliações: 37
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa