29/05/2021 - Gestão de ex-prefeito de Canaã dos Carajás, no PA, é sentenciada por contrato milionário irregular
Notícia de licitação.
    

G1 PA — Belém

 

Réus tiveram direitos políticos suspensos e bens bloqueados por decisão judicial.

 

Em sentença, a Justiça do Pará determinou a suspensão de direitos políticos e multas em ação civil pública, ajuizada pelo Ministério Público do Pará (MPPA), em caso de improbidade administrativa durante a gestão do ex-prefeito Jeová Gonçalves de Andrade, em Canaã dos Carajás, sudeste do estado.

 

Foi decretada também a indisponibilidade dos bens do patrimônio dos envolvidos, que não tiveram a identidade divulgada pelo MPPA. O G1 tentou contato com a defesa dos acusados, mas ainda não obteve respostas.

 

Segundo o MP, contratos feitos entre 2014 e 2017, entre a prefeitura e um escritório de advocacia, firmados sem licitação, que custaram mais de R$1,4 milhão. Para o órgão, o valor não se justificaria por causa da simplicidade dos serviços prestados, que poderiam ter sido prestados pelos procuradores municipais do quadro efetivo da prefeitura, à época.

 

O valor recebido pelos advogados contratados superariam o subsídio do próprio prefeito, diz o MPPA.

 

O promotor de Justiça Fabiano Oliveira Gomes Fernandes, antes de ajuizar ação, expediu recomendação ao prefeito para que tomasse providências para anular, no prazo de trinta dias, todos os contratos relacionados a contratações diretas de escritórios de advocacia, sob regime de inexigibilidade, para realização de serviços genéricos e comuns de advocacia. As medidas recomendadas então foram ignoradas.

 

Ainda de acordo com o MP, ao analisar o processo, a 1ª Vara Cível e Empresarial do município concluiu que houve irregularidade à regra constitucional da licitação, ofendendo diretamente princípios da legalidade, da impessoalidade, da isonomia e da economicidade, entre outros.

 

A contratação direta do escritório de advocacia, como entendeu a Justiça, não observou especialização profissional, natureza singular do serviço, demonstração da inadequação da prestação do serviço pelos integrantes do Poder Público ou pagamento de preço compatível com o praticado pelo mercado. Por isso, os contratos firmados foram anulados.

 

Também ficou provado, como afirma o MP, que houve prejuízos aos cofres públicos, com despesas bem acima do necessário para prestação de serviços comuns que poderiam ter sido prestados por sua própria procuradoria.

 

Todos os réus foram condenados por ferirem a Lei de Licitações que estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos. Eles deverão ressarcir solidariamente os cofres públicos no valor correspondente aos que foram gastos, que excederam a remuneração média bruta do procurador municipal, que corresponde a um pouco mais de um R$1,1 milhão.

Análise da página "29-5-21-gestao"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 14 | Número de avaliações: 27
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
 
 
 
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa