30/05/2021 - CPTM rescinde contrato de manutenção de trens da Série 3000 com a Alstom
Notícia de licitação.
    

Metrô CPTM
Jean Carlos

 

O contrato assinado no ano de 2018 foi rompido de forma amigável entre as empresas. A estatal agora será responsável pelos cuidados dos 5 trens que compõe a frota e têm destino incerto

 

A manutenção na ferrovia é um dos temas mais relevantes nas empresas operadoras. Na CPTM, a manutenção dos trens é feita de forma periódica com base nas distâncias que os trens percorrem ao longo do tempo. Quanto mais um trem roda, mais complexa deverá ser sua manutenção, o que faz com que, em determinado ponto, os reparos se tornem verdadeiras revisões de grande complexidade.

 

A CPTM, em alguns casos, terceiriza esse tipo de serviço, repassando as atribuições da manutenção para outras empresas, enquanto o serviço da estatal fica restrito apenas na fiscalização da atuação da contratada. É o caso dos trens da Série 3000 que estavam com um contrato de manutenção em curso mas que foi rescindido, fazendo com que o ambicioso plano de revisão geral fosse adiado.

 

Histórico

 

Os trens, fabricados pela alemã Siemens, começaram a operar na CPTM no ano de 2001 na antiga Linha C, atual 9-Esmeralda. Eles traziam algumas características que passaram a ser utilizadas em futuras encomendas da empresa como a construção em aço inoxidável, o ar-condicionado e a taxa de aceleração de 0,9 m/s, mas são um pouco menores que os modelos da CAF, por exemplo.

 

Originalmente, as composições trafegavam em comboios menores, de apenas 4 carros (vagões). Conforme as necessidades da CPTM ao longo dos anos, os trens foram remanejados para outras linhas como a 8-Diamante, 7-Rubi e a 10-Turquesa, atuando principalmente no serviço Expresso Linha 10 entre as estações de Tamanduateí e Santo André.

 

A licitação para os serviços de manutenção foi aberta em maio de 2018 e contou com a participação de empresas como Alstom e CAF, duas gigantes do setor ferroviário. O consórcio TMTTRENS 3000 foi o terceiro proponente, porém, foi inabilitada segundo as regras do certame. O contrato foi de fato homologado em novembro de 2018, e possuía a duração de 48 meses e valor de aproximadamente R$ 103 milhões.

 

Os principais serviços que deveriam ser executados pela Alstom eram:

 

Manutenções preventivas e corretivas

 

Revisão geral e modernização dos sistemas

 

Restabelecimento operacional de trens

 

Atuação em socorro ou acidentes

 

Fornecimento de materiais e peças

 

Elaboração e revisão de procedimentos de manutenção

 

Serviços de engenharia e análise de dados de desempenho

 

Melhorias tecnológicas

 

Desde o ano passado, no entanto, os trens da Série 3000 estavam realizando raras aparições até o momento em que as composições simplesmente sumiram. Tal desaparecimento pode ter sido o motivo da remobilização dos trens da Série 2100, dados como fora de operação quando houve a grande renovação de frota promovida na Linha 10-Turquesa.

 

O Diário Oficial do Estado do dia 29 de maio confirmou o que já era esperado: a Alstom e a CPTM rescindiram o contrato de forma amigável, ou seja, a partir deste momento a manutenção dos trens da Série 3000 fica sob a responsabilidade da própria companhia de trens metropolitanos. Não há informações se a empresa planeja realizar uma nova licitação para a manutenção desses trens.

 

Conclusão

 

A saída de uma empresa do porte da Alstom de um contrato de manutenção é algo que causa certo estranhamento. Não se sabem os motivos exatos que motivaram a rescisão por parte da empresa, mas, especula-se que o estado dos trens esteja, em geral, bastante degradado. Há também a declaração do presidente da CPTM, Pedro Moro, que admite a possibilidade de remover os trens da série 3000 do parque de tração da empresa, tendo em vista que atualmente a companhia conta com uma vasta quantidade de trens modernos.

 

Em linhas gerais é incerto dizer qual será o destino dos trens alemães. Caso voltem a operar é capaz que estejam restritos ao serviço Expresso Linha 10, cumprindo viagens mais curtas e apenas em horário de pico, evitando assim maiores desgastes dos equipamentos, quando não, uma falha que interrompa o serviço unificado entre as linhas 7 e 10.

Análise da página "30-5-21-cptm"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 12 | Número de avaliações: 23
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
 
 
 
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa