09/03/2021 - Secretaria-Geral do Cade pede condenação de Oi, Claro e Vivo por prática anticoncorrencial em licitação dos Correios
Notícia de licitação.
    

Teletime
Marcos Urupá

 

A Secretaria-Geral do Cade recomendou ao Tribunal Administrativo de Defesa Econômica a condenação da Oi, Telefónica-Vivo e Claro por infrações à ordem econômica. O órgão acatou representação da BT Serviços de Telecomunicações, que pediu a abertura de processo administrativo, com aplicações de sanções, contra conduta anticoncorrencial das três grandes operadoras em um processo de licitação da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT). A representação foi protocolada em 2015. A BT Telecomunicações pediu que fosse suspensa a eficácia dos consórcios formado entre as três operadoras em licitações públicas vigentes e a proibição de tais consórcios para licitações futuras. O histórico desta disputa é complexo, já foi objeto de ação judicial das operadoras contra a BT, suspensão de uma primeira licitação feita em 2015 e manifestação do TCU contra a BT. O caso vem se desenrolando desde então no Cade.

 

Segundo a BT Telecomunicações, Oi, Claro e Telefónica-Vivo, que venceram a licitação em 2016, teriam atuado de forma coordenada com o objetivo de eliminar a competição entre si em licitações de órgãos da administração pública federal para contratação de serviços de internet banda larga com abrangência nacional.

 

A prática de associação estabelecida pelas operadoras foi anticoncorrencial, diz a BT Telecomunicações, pois as três empresas são as maiores prestadoras de serviços de telecomunicações no Brasil e estariam se valendo do instrumento legal do consórcio para coordenar interesses, na tentativa de eliminar a concorrência entre as mesmas nas licitações, gerando claros efeitos anticompetitivos no setor de telecomunicações.

 

No caso específico, a prática de consórcio das operadoras aconteceu no pregão eletrônico nº 144/2015 dos Correios. A BT aponta que Oi, Claro e Telefónica-Vivo teriam imposto dificuldades à sua participação na licitação, já que as três grandes operadoras controlavam o acesso à infraestrutura local de telecomunicações e teriam discriminado preço e recusado a contratação de circuitos de comunicação, como de links MPLS, necessários à formação da proposta da BT para participação no referido Pregão do órgão.

 

Oi, Claro e Telefônica poderão ser condenadas pelo Tribunal Administrativo de Defesa Econômica por prejudicar a livre concorrência, aumento arbitrário de lucros e exercício abusivo da posição dominante e por combinar com concorrente, no caso a atuação em consórcio, preços de bens ou serviços ofertados individualmente. Procuradas por este noticiário, as operadoras ainda não se manifestaram. A matéria será atualizada tão logo as empresas se manifestem.

 

Compra da Oi Móvel

 

Segundo observadores que acompanham o caso, as recomendações da Secretaria-Geral do Cade contra Oi, Claro e Telefônica por infração à ordem econômica podem trazer elementos negativos para uma eventual aprovação de outro caso importante que ainda será julgado: Oi Móvel pela Tim, Claro e Telefónica-Vivo, que ofertaram juntas um lance de R$ 16,5 bilhões.

 

A Algar Telecom apresentou Nota Técnica ao Cade dizendo que Telefónica-Vivo, Tim e Claro agiram justamente em consórcio no leilão da compra da Oi Móvel, criando um centro de decisão econômico com poder de monopólio, violando as regras de concorrência previstas na Lei n° 12.529/2011, e agindo sem autorização prévia do Cade. A Algar pede que o Cade avalie a suspensão do leilão da Oi Móvel. As empresas respondem, segundo fontes ouvidas por este noticiário, com a alegação de que a compra da Oi Móvel foi um processo público e aberto e apenas elas apresentaram propostas.

Análise da página "9-3-21-secretariageral"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 22 | Número de avaliações: 43
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa