29/11/2018 - MPF acusa ex-prefeito e mais 10 por fraude em licitação do transporte escolar de Miguelópolis
Notícia de licitação
 

G1 Ribeirão Preto e Franca

 

Apontado na Operação Cartas em Branco, esquema desviou pelo menos R$ 1 milhão dos cofres públicos, segundo Procuradoria.

 

O ex-prefeito de Miguelópolis (SP) Juliano Jorge Mendonça e mais dez pessoas foram denunciados pelo Ministério Público Federal por fraude em licitação no transporte escolar intermunicipal e por um desvio de pelo menos R$ 1 milhão dos cofres públicos.

 

As denúncias foram levantadas pela Operação Cartas em Branco, do Ministério Público Estadual, que apontou a articulação de uma organização criminosa que direcionava concorrências públicas com a participação das mesmas empresas.

 

O Ministério Público Federal assumiu a autoria desse processo porque há indícios de uso inadequado de verbas federais, entre elas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

 

A Procuradoria da República aponta que houve um esquema para que a empresa de ônibus Dina Traslados e Turismo fosse a escolhida para levar estudantes do município a outras cidades da região. Além disso, acusa que, um ano antes da licitação, o dono da empresa, Godofredo Nazário, fez doações para a campanha eleitoral do então candidato a prefeito.

 

Procurada, a advogada de defesa de Mendonça, Maria Cláudia Seixas, disse que ainda não teve acesso à denúncia e, por isso, preferiu não falar sobre o assunto. O G1 contatou a Dina Traslados por telefone e e-mail, mas não obteve um posicionamento nesta quarta.

 

Além de Nazário e Mendonça, são alvos da denúncia agentes públicos da Prefeitura que de alguma maneira atuaram nas licitações.

 

Fraude em licitação

 

Segundo a denúncia, as fraudes ocorreram entre 2013 e 2016 em licitação para contratar um serviço que atenderia 613 alunos.

 

Para limitar a concorrência, o MPF detectou que o grupo inseriu exigências específicas para garantir que a mesma empresa assumisse o transporte de três linhas, que levariam estudantes, em sua maioria universitários, de Miguelópolis para Barretos (SP), Franca (SP) e Ituverava (SP).

 

A Procuradoria da República ainda menciona um caso de intimidação para que o dono de uma companhia não entrasse na disputa.

 

Segundo o procurador Gabriel da Rocha, autor da denúncia, o contrato também apresentava irregularidades, entre elas indícios de superfaturamento.

 

Além de não haver a relação de alunos e instituições de ensino de destino, as distâncias estimadas entre os municípios eram superiores à realidade e o valor praticado no quilômetro rodado foi acima do mercado, de acordo com a Procuradoria Federal. Entre 2013 e 2014, o prejuízo estimado pelo MPF é de R$ 533 mil.

 

O procurador também indica que os veículos da empresa contratada foram utilizados para atender a interesses particulares dos denunciados.

 

"A fraude era tão evidente que em alguns meses com menos dias letivos, como novembro e setembro, os valores pagos a Dina Traslados foram superiores ao de meses com mais dias letivos, como agosto e outubro", comunicou a Procuradoria, nesta quarta.

 

Outro problema denunciado na ação é com relação a aditamentos do contrato original, que elevaram em R$ 461 mil o valor devido pelo município à empresa. Alterações feitas, segundo a Procuradoria da República, sem justificativa, como o acréscimo de 93,5 mil quilômetros ao contrato.

 

Os recursos que remuneraram a empresa, segundo o MPF, foram retirados da Quota Estadual do Salário Educação (QESE) e do Fundeb, embora não haja evidências de que os alunos da rede pública dos ensinos fundamental e médio tenham utilizado o referido transporte.

 

O MPF defende na denúncia que a contratação da empresa foi uma contrapartida para um auxílio financeiro - incluindo um depósito de R$ 100 mil - prestado pelo proprietário, Godofredo Nazário, ao então candidato a prefeito Juliano Jorge Mendonça, um ano antes do pregão.

 

Cartas em Branco

 

Desde a primeira fase em abril de 2016, o Ministério Público Estadual ofereceu 51 denúncias em decorrência da operação, com mais de 100 pessoas processadas criminalmente por desvios de R$ 6 milhões em licitações da Prefeitura, entre 2013 e 2015. As fraudes ocorreram em contratos do transporte escolar, compra de materiais de escritório e consultorias.

 

O ex-prefeito Juliano Mendonça Jorge está preso desde abril de 2016, em Tremembé (SP), acusado de liderar o esquema criminoso. A mais recente condenação ocorreu em março de 2018, quando a Justiça determinou a pena de 18 anos e 8 meses de reclusão em regime fechado e o pagamento de 194 dias-multa por corrupção ativa e desvio de recursos públicos.

 

Em janeiro, a Justiça também condenou 14 réus acusados. Sete ex-vereadores e outras sete pessoas, entre ex-funcionários públicos e comerciantes, foram julgados culpados por corrupção passiva, organização criminosa e usurpação de função pública, com penas que variam de quatro a 14 anos de prisão em regimes semiaberto e fechado, além de pagamento de multa.

 

Em outro processo, o ex-prefeito Juliano Mendonça Jorge foi condenado a 19 anos e 10 meses de prisão e ao pagamento de R$ 367,3 mil de multa pelas acusações de desvio de dinheiro público, por oferecer vantagem indevida a funcionário público para praticar, omitir ou retardar ato de ofício e ainda por usurpar o cargo público.

 

Ele também foi proibido de ocupar função pública por cinco anos e perdeu o cargo público de professor na Escola Técnica Estadual em Miguelópolis.

 

A mesma decisão condenou o ex-vice-prefeito Tárcio Rodrigues Barbosa a 10 anos e quatro meses de prisão, e ao pagamento de multa de R$ 258,6 mil por apropriar-se de bens públicos em proveito próprio ou alheio e por integrar organização criminosa.

Análise da página "acusaexpreffei"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 14 | Número de avaliações: 27
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa