16/09/2018 - Alunos da rede municipal de Jarinu estão há dois anos sem receber uniformes
Notícia de licitação
 

G1 Sorocaba e Jundiaí

 

De acordo com a tia de uma estudante, mesmo com a situação, a prefeitura exigiu o uso de uniformes no desfile de 7 setembro. Prefeitura diz que não há prazo para compra.

 

Pais de estudantes das escolas municipais de Jarinu (SP) reclamam que as crianças estão sem os uniformes escolares desde 2016. De acordo com eles, no ano passado a prefeitura prometeu entregar, mas não cumpriu o prazo.

 

Como estão sem uniformes, as crianças têm ido às escolas com roupas diferentes. Segundo o secretário de Administração, Anderson da Cunha, a prefeitura não tem um prazo para a compra dos uniformes por conta da crise econômica no país.

 

Na Escola Municipal "Maria Helena Messias", no bairro Maracanã, a maioria das crianças vai estudar com roupa normal. Aquelas que ainda têm uniformes antigos vão com eles, só que algumas calças estão curtas e justas.

 

Maria Isabel, que cuida da sobrinha, contou que recentemente a prefeitura exigiu que os alunos desfilassem de uniforme no dia 7 de setembro. O da sobrinha dela já não estava mais servindo.

 

"Minha sobrinha fica com vergonha de vir, porque as calças já estão na canela", conta.

 

Delma é mãe de duas crianças, uma de 5 e outra de 8 anos. Ela até tentou aproveitar o uniforme do mais velho, mas não conseguiu por muito tempo.

 

Anderson da Cunha afirma que outro motivo para o atraso da compra foi a Lei de Diretrizes e Base da Educação, a LDB, que não permite a compra de uniformes com recursos da educação. Ele afirmou ainda que a prefeitura não prometeu a compra no ano passado.

 

"Oficialmente, a prefeitura não fez nenhuma promessa, a gente não chegou nem a lançar o edital de licitação por não ter recurso. Provavelmente foi boato que surgiu em relação a isso", explica o secretário.

 

Sobre o desfile de 7 de setembro, Anderson diz que a informação não é verdadeira e que em momento algum a prefeitura exigiu o uso do uniforme em qualquer evento.

Análise da página "alunosdared"   

Avaliação: 6 de 10 | Comentários: 11 | Número de avaliações: 21
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa