16/07/2018 - Caixa atesta fraude em contrato de R$ 5 bilhões cobrado por empresa ao Estado

Notícia de licitações
 

A crítica

 

Ezo Soluções Interativas cobra o valor porque afirma ter conseguido reaver R$ 27 bilhões para o Amazonas, mas nenhum centavo foi recuperado para o Executivo. Contrato foi assinado na gestão de David Almeida

 

A fatura de R$ 5 bilhões que a Ezo Soluções Interativas cobra do Estado por um suposto serviço prestado ao governo é fraude, conforme atestam documentos de órgãos do governo federal. O negócio, que teve início no gabinete do então governador David Almeida (PSB), deu ao ex-número 2 da Suhab nomeado por ele, o direito de receber R$ 200 milhões como “taxa de sucesso”. O pagamento só não foi realizado porque a Justiça interferiu.

 

Muito embora diga que conseguiu reaver R$ 27 bilhões para o Amazonas, segundo registrou em cartório, nenhum centavo foi recuperado pela Ezo para o Executivo Estadual. Com base na quantia bilionária, ela cobra 20% como honorário. A briga foi parar na Justiça. O Ministério Público do Estado (MP-AM) investiga o caso. 

 

A Caixa, administradora do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS), assegura, em documento oficial datado de 23 de maio, que não identificou nenhum “direito creditório” em favor da Ezo.

 

 O Tesouro Nacional, conforme documentos obtidos pelo Portal A Crítica, esclarece que pleitos como o da Ezo, mesmo registrados em cartório, “não encontram respaldo na legislação e não geram vínculo jurídico com a União”. O documento também explica que até que o processo seja completamente concluído, não há garantia de reconhecimento das obrigações. Assim, qualquer pretensão contra o FCVS é apenas expectativa de direito.

 

Os documentos dos órgãos oficiais indicam que o contrato feito pela gestão David Almeida tinha um único objetivo de aplicar um golpe nas contas do Estado.

 

Contrato bilionário

 

Investigado pelo Ministério Público Estadual (MP-AM), o contrato prevê o repasse de R$ 5 bilhões para a Ezo como pagamento pelo trabalho realizado. O serviço seria uma espécie de assessoria para o Estado identificar e recuperar eventuais recursos do FCVS, gerido pela Caixa. Além do acordo ter sido realizado durante o governo interino de David Almeida, o mesmo possui ligações com o advogado José Júlio César Corrêa, envolvido nos trâmites do contrato.

 

Em 12 de junho de 2017, o advogado foi  nomeado como diretor da Superintendência Estadual de Habitação (Suhab). Na época, dez dias após assumir o cargo, o advogado recebeu a proposta da Ezo. No dia 15 de setembro o governo interino fechou contrato com a empresa  dispensando licitação.

 

Ao final dos serviços, a Ezo informou ao governo ter identificado R$ 27 bilhões em favor do Amazonas no FCVS. Pelo contrato, o Estado deveria pagar 20% do valor descoberto, isto é, R$ 5 bilhões. Além de todos os pontos questionáveis do contrato, uma procuração  registrada no 2º Serviço Notarial de Betim (MG) assinada pelo proprietário da Ezo encaminha ao advogado José Júlio César Corrêa o direito de movimentar R$ 200 milhões como “taxa de sucesso” pelo negócio.

 

Outro lado

 

David Almeida afirma que o contrato investigado é de total responsabilidade dos ex-gestores da Suhab e que nunca negociou com a Ezo Soluções. O ex-superintendente da Suhab, Nílson Cardoso, afirmou que a Ezo só terá direito ao pagamento se os recursos forem repassados pelo governo federal ao Estado, de forma que não haverá dano. O advogado José Júlio César Corrêa disse foi contratado pela Ezo Soluções, recebendo remuneração correspondente.  “Como a empresa me pagou e quanto me pagou é um problema pessoal e fiscal meu”, afirmou o advogado. Já Paulo Ciccarini, dono da Ezo Soluções Interativas, sustenta que o contrato foi legal.

Análise da página "caixaatestafraude"   

Avaliação: 2 de 10 | Comentários: 17 | Número de avaliações: 33
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa