29/10/2018 - CUSTOS: Cálculos da Supel podem comprometer a contratação do transporte escolar
Notícia de licitação
 

Rondoniaaovivo
AROM.ORG.BR

 

A Arom solicitou do órgão a suspensão da utilização da planilha de composição de custo, sob fortes alertas da necessidade de se mensurar gastos

 

Em ofício enviado à Superintendência Estadual de Compras e Licitações do Estado de Rondônia – SUPEL, na última terça-feira (23), a Associação Rondoniense de Municípios – AROM fez apontamento sobre o que considera como graves desconsiderações quanto ao custo de execução do serviço de transporte de estudantes. A entidade solicitou do órgão a suspensão da utilização da planilha de composição de custo, sob fortes alertas da necessidade de se mensurar gastos vitais à manutenção do contrato pelas empresas contratas pelo Estado e/ou pelas prefeituras, para o Transporte Escolar Rural.

 

A AROM se debruçou tecnicamente sobre o Caderno Técnico produzido pela SUPEL, vindo a concluir que a composição de custo do órgão apresenta equívocos que tanto podem trazer dificuldades econômicas para os contratados executarem o serviço, como perigam levar o poder público a contratar itens a preços elevados, prejudicando o erário. Entre os apontamentos, a associação municipalista contesta os gastos definidos para 12 meses, enquanto que a prestação do serviço ocorre em período de dez meses, assim como custos com pessoal da empresa e depreciação dos veículos, além de encargos tributários e sociais, todos não levados em conta.

 

O teto de valor máximo a ser pago pelo serviço, apresentado pela SUPEL, não é coerente com as condições em que é ofertado o transporte escolar pelos municípios. A AROM defende que uma planilha com cálculos mais compatíveis com a realidade garantirá um serviço de qualidade à população e ainda inibirá a ocorrência de práticas irregulares e em desacordo com a Lei, que possam ser induzidas por erros nos processos de contratação.

 

O Presidente da AROM, prefeito Airton Gomes, observa que apesar de o Caderno Técnico representar um avanço aos municípios, por ter uma delineação de valores para nortear os editais de contratação e pleitear verbas para cobertura dessas despesas, a entidade municipalista se vê no dever de contestar e alertar acerca de pontos que podem gerar prejuízos às gestões municipais, sobretudo à manutenção do transporte de alunos rurais até as escolas. “Esperamos que a SUPEL acolha as nossas ponderações técnicas, a bem do desenvolvimento do processo educacional em que temos obrigação de apresentar nossas contribuições”, declarou.

 

Atualização

 

Ainda na tarde de terça-feira (23), a Diretoria da associação recebeu a confirmação da gestão da SUPEL de que o expediente municipalista foi recepcionado com imediata análise sobre as informações e, em sendo o caso, será realizado estudo revisor da tabela de composição de custo.

Análise da página "calculocustos"   

Avaliação: 8 de 10 | Comentários: 13 | Número de avaliações: 25
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa