22/03/2020 - Câmara diz sim a vale troca para remédios em Santos
Notícia de licitação
 

Diário do Litoral

 

PL daria vale para remédios que estão em falta na rede pública

 

A Câmara de Vereadores de Santos aprovou durante a sessão ordinária de segunda-feira (16) um projeto de lei que pretende conceder vale-remédio para usuários de medicamentos que estejam temporariamente em falta na Rede Municipal de Santos. Com isso, a prefeitura ficaria responsável por arcar com os gastos dos moradores que precisam de remédios que estão em falta na rede pública.

 

A medida, de autoria do vereador Antônio Carlos Joaquim Banha (MDB), foi apresentada à Casa de Leis ainda durante abril de 2018.

 

No texto, Banha prevê que usuários de medicamentos que estejam temporariamente em falta na rede pública receberão uma espécie de ticket batizado de 'vale-remédio' que seria utilizado na rede privada. O documento atestará que a administração municipal reconhece a falta do medicamento em âmbito que seria de sua competência e arcará com o custeio na rede privada.

 

O artigo segundo do projeto de lei define que os critérios para concessão do vale ficarão a cargo da Secretaria Municipal de Saúde. O benefício só será válido para remédios que já são fornecidos pela Prefeitura de Santos e estejam com a entrega temporariamente suspensa ou atrasada.

 

Além disso, a Prefeitura de Santos ficará responsável por realizar licitação para o credenciamento das farmácias onde os usuários poderão utilizar o vale-remédio. Caso aprovado, todas as despesas decorrentes com a presente lei decorrerão por conta de verbas próprias do orçamento vigente, suplementadas se necessário.

 

Em seu texto, Banha descreve que o projeto de lei busca criar uma alternativa para amenizar os transtornos dos pacientes que utilizam remédios fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde, mas que estejam com o fornecimento temporariamente suspenso.

 

"Muitas vezes, o atraso nos laboratórios fornecedores, a demora para a conclusão de licitações ou até mesmo as demandas sazonais tornam a distribuição desses medicamentos irregular, prejudicando os pacientes", escreveu.

 

Banha segue detalhando que a interrupção dos tratamentos pode não apenas adiar a solução de problemas de saúde enfrentados pelos usuários, como também agravar o quadro de saúde dos mesmos, levando ao óbito em casos extremos e que o vale-remédio se trataria de um 'preenchimento de lacuna existente no serviço público' para garantir o direito constitucional do acesso à saúde sem onerar os cofres municipais, uma vez que, segundo o parlamentar, isso não ocorreria devido à 'não inclusão de novos medicamentos'.

 

"Agradeço à comissão de saúde pela sensibilidade no momento em que vivemos um caos instalado na saúde do nosso país, estado e município, nós chegamos ao cúmulo de não garantir o mínimo para a população, que são os remédios de uso contínuo para as pessoas. É muito triste chegarmos num país onde o cabresto das indústrias farmacêuticas estão segurando o governo há quase 30 anos", afirmou durante sessão.

 

Durante a sessão ordinária, os pareceres favoráveis de duas comissões foram colocados em discussão e aprovados. Na sequência, o PL foi aprovado em primeira discussão e deverá retornar à Casa de Leis mais uma vez antes do texto ser encaminhado para sanção ou veto do prefeito Paulo Alexandre Barbosa.

 

"Médico hoje no Brasil é um herói, ele faz a consulta, dá o diagnóstico, prescreve para o paciente e o remédio e tratamento? Quando começa? E isso não é algo só de Santos ou de São Paulo. As indústrias farmacêuticas mandam no mundo e as pessoas enfrentam mais doenças todos os dias. Nós precisamos dar a ajuda que elas precisam diariamente", conclui o vereador do MDB.

Análise da página "camaradiiiiiiz"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 14 | Número de avaliações: 27
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa