15/12/2018 - Consultorias ajudaram a organizar cartel em SP, diz Cade
Notícia de licitação
 

Terra
Lorenna Rodrigues

 

 

Empresas ajudavam a definir quais empresas seriam vencedoras ou subcontratadas em cada licitação, afirma relatório

 

BRASÍLIA - Relatório da Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aponta que empresas envolvidas no cartel do metrô de São Paulo contrataram consultorias para ajudar a organizar o esquema. Segundo o documento, foram utilizadas as empresas Procint Projetos e Consultoria Internacional e Constech Assessoria e Consultoria Internacional.

 

Na quarta-feira, 12, a Superintendência-Geral pediu a condenação de 16 empresas e 52 pessoas físicas por formação de cartel que teria atingido 27 licitações de metrô e trens de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Distrito Federal. A informação foi antecipada pelo Estadão/Broadcast.

 

Para o Cade, a Procint e a Constech teriam "influenciado" e "obtido a adoção de conduta comercial uniforme" entre concorrentes. Cabia a elas, por exemplo, marcar reuniões entre os participantes, que chegaram a ocorrer na sede da Procint, segundo a investigação.

 

As consultorias, afirma o Cade, também ajudavam a definir quais empresas seriam vencedoras ou subcontratadas em cada licitação e intermediavam as propostas que seriam apresentadas pelas empresas nas concorrências fraudadas.

 

Segundo a investigação, representantes das empresas de consultoria participavam ativamente de encontros e reuniões, dando sugestões e palpites para a combinação dos resultados.

 

De acordo com o Cade, a Constech foi dissolvida. A reportagem ligou para o telefone da Procint que consta na junta comercial, mas foi informada que ela foi fechada. Ao Cade, as duas empresas afirmaram que foram contratadas por companhias investigadas para prestar consultorias na área de engenharia de transporte e processos industriais, e negaram irregularidades.

 

A investigação concluiu que houve irregularidades entre 1998 e 2013, período em que o Estado era governado pelo PSDB. Foram pedidas as condenações das empresas Alstom, Bombardier, CAF Brasil, Hyundai-Rotem, Mitsui, Tejofran, Iesa, MGE, MPE, Procint, Serveng-Civilsan, TC/BR, Temoinsa, Trans Sistemas, ConsTech e Balfour. A Siemens, que denunciou o cartel, se livrou de qualquer punição. O processo segue agora para o tribunal do Cade, instância responsável pelo julgamento e condenação das empresas.

 

Defesa. O governo do Estado, por meio da Secretaria dos Transportes Metropolitanos, disse que o Metrô e a CPTM são vítimas do esquema e colaboram com o processo. A Siemens disse que está cooperando com as autoridades. A Hyundai-Rotem afirmou acreditar que o Cade "ao final reconhecerá que a empresa não praticou nenhum ilícito". A Tejofran disse que "aguarda o julgamento com a certeza de um desfecho favorável e frisa a idoneidade de suas práticas".

 

A Serveng Civilsan negou "qualquer irregularidade" e disse que "respeita a legislação em vigor". A Bombardier afirmou que não foi informada sobre a recomendação. A Alstom esclareceu que o parecer da superintendência contém apenas uma recomendação, "não se tratando de decisão final ou definitiva". A CAF informou que não comenta decisões de processos em andamento. MPE e Temoinsa não se manifestaram e MGE e Mitsui não retornaram o contato. A reportagem não conseguiu contato com as empresas Iesa, TC/BR, Trans Sistemas de Transporte e Balfour.

Análise da página "conssulltori"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 12 | Número de avaliações: 23
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa