21/10/2018 - Desinteresse: Transporte urbano volta a ser motivo de preocupação
Notícia de licitação
 

A Tribuna
Denilson Paredes

 

O grande temor é que com o desinteresse de novas empresas e sem a renovação do contrato com a atual concessionária, o serviço se torne cada vez mais precário

 

A situação do transporte coletivo na cidade tem gerado preocupação em grande parte da população, já que nenhuma empresa, pelo menos até agora, se interessou pela concessão pública para tocar o serviço em Rondonópolis e a empresa Cidade de Pedra está com seu contrato vencido há mais de quatro anos.

 

O grande temor é que com o desinteresse de novas empresas e sem a renovação do contrato com a atual concessionária, o serviço se torne cada vez mais precário, em prejuízo dos usuários, já que nenhum município do porte de Rondonópolis pode prescindir do dito transporte público.

 

No último dia 18, a prefeitura concluiu o processo de licitação para a apresentação de propostas de empresas interessadas em assumir a concessão mas, pela segunda vez, nenhuma empresa demonstrou interesse pelo certame. Com isso, a Cidade de Pedra continua à frente do serviço mas, ao menos por enquanto, sem contrato e por conseguinte sem segurança jurídica para fazer investimentos financeiros na melhora dos seus ônibus e outras melhorias que poderiam tornar o transporte coletivo novamente atrativo para os usuários do sistema que optaram nos últimos tempos pelo transporte individual, já que o baixo número de usuários do sistema é apontado como uma das causas da dificuldade que a empresa enfrenta em Rondonópolis e é o principal motivo do desinteresse de outras empresas pela concessão.

 

PREOCUPAÇÃO

 

Esse quadro tem gerado preocupação entre os vereadores que têm acompanhado a questão, que cobram uma posição da prefeitura que possa solucionar o problema. “O modelo de transporte público está em crise em todo o país. Apenas cidades que adotam estratégias de subsídio às empresas e onde acontecem ações de incentivo ao uso do transporte público, têm conseguido contornar essa crise. Rondonópolis é uma cidade que cresceu de forma desordenada, com grandes espaços vazios entre os bairros, com alguns deles muito distantes entre si, o que torna o IPK (Índice de Passageiros por Quilômetro) muito caro. Esse é um dos principais motivos que levam a que nenhuma empresa se interessasse pela licitação do transporte coletivo aqui”, observou o vereador Sílvio Negri (PCdoB).

 

A melhora no padrão de vida da maioria da população, ocorrida nos últimos anos, é outro fator apontado pelo edil como uma das causas que levaram grande parte dessa mesma população a optar pelo transporte individual. “A grande maioria dos trabalhadores adquiriu uma moto ou um carro nos últimos anos e essas pessoas dificilmente vão deixar seus veículos em casa para irem ao trabalho ou a qualquer outro lugar em um transporte caro e desconfortável, que demora muito tempo para levá-lo ao seu destino. Por outro lado, não vemos a prefeitura dar nenhum tipo de incentivo para que as pessoas voltem a usar o transporte coletivo. Não temos pontos de ônibus adequados, nenhum corredor exclusivo para os ônibus, nada que sinalize para uma solução para esse problema”, continuou.

 

Para Negri, o problema do transporte coletivo somente reforça a necessidade de aprovação, o quanto antes, do Plano Diretor do Município (PDM), no qual está contido o Plano de Mobilidade Urbana, que irá regulamentar a questão do transporte no município. “O que eu vejo é que essa situação está gerando prejuízos para a cidade, principalmente para quem depende do transporte público, como trabalhadores, estudantes e idosos. O Código de Trânsito Brasileiro diz que a prioridade no trânsito são primeiro os pedestres, em segundo lugar os ciclistas e em terceiro o transporte público, mas o que vemos é que a cidade estimula apenas o transporte individual e esse foco precisa mudar. Também acho que a Setrat pode procurar empresas interessadas a participarem da licitação”, declarou o parlamentar.

 

Outro vereador que tem acompanhado a situação com preocupação é o ex-líder comunitário Adonias Fernandes (MDB), que acredita que uma próxima licitação da prefeitura pode novamente não atrair nenhuma empresa com interesse em assumir o transporte coletivo em Rondonópolis. “Eu acredito que a próxima licitação vai dar deserto também. As empresas alegam que os custos são altos e os passageiros muito poucos. Nós temos que aprovar logo o PDM e o Plano de Mobilidade para podermos debater a possibilidade de colocarmos micro-ônibus nas linhas e horários que houverem poucos passageiros e a viabilização de vias rápidas, assim como discutir os casos do Uber, dos táxis e mototáxis na cidade, de forma a encontrarmos formas de melhorar o transporte público”, disse.

 

Para tentar encontrar uma solução que amenize a situação, os vereadores já adiantaram que pretendem agendar uma reunião com o prefeito José Carlos do Pátio (SD) e representantes da empresa, nos próximos dias, para debater o assunto.

 

NÚMEROS

 

Atualmente, o preço da passagem no transporte coletivo em Rondonópolis é de R$ 3,60 e existem cerca de trinta linhas em operação, mas na grande maioria das mesmas os ônibus trafegam a maior parte do tempo vazios ou com poucos passageiros.

 

Segundo dados divulgados pela empresa recentemente, cerca de 26 mil passageiros usam o transporte coletivo diariamente, mas somente cerca de 19 mil são de fato pagantes. Os demais ou são isentos, ou têm a passagem subsidiada, como é o caso de estudantes.

Análise da página "deisiteressetranspor"   

Avaliação: 5 de 10 | Comentários: 20 | Número de avaliações: 39
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa