24/02/2019 - Deputado de MT eleito para vaga no TCE é alvo de processo que investiga superfaturamento em contratos de TI
Notícia de licitação
 

TV Centro América
Marina Martins

 

Guilherme Maluf (PSDB) é deputado estadual e foi eleito pelos colegas para vaga de conselheiro no TCE. A Justiça, entretanto, suspendeu a nomeação e a posse dele citando processos criminais.

 

O deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB), eleito na última semana pelos outros parlamentares da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) para ocupar uma vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT) é investigado em um processo que investiga superfaturamento em contratos de informática.

 

Maluf, que virou réu em um processo que investiga esquemas de desvio de dinheiro, foi aprovado para o cargo com 13 votos a favor e 8 contra.

 

A Justiça, entretanto, suspendeu a nomeação e eventual posse do deputado no cargo. Na decisão, o juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular Comarca de Cuiabá, cita que o deputado é alvo de um processo do próprio TCE.

 

No processo, o órgão analisa um pregão entre a ALMT e uma empresa com indícios de superfaturamento. Em cinco anos, o prejuízo seria de mais de R$ 45 milhões.

 

O contrato investigado é de maio de 2018. O valor total é de R$ 10,3 milhões por um ano de serviço de segurança de rede e é assinado pelo presidente da ALMT, Eduardo Botelho e o então 1º secretário, Guilherme Maluf.

 

A auditoria do TCE identificou sobrepreço na aquisição. O valor anual do é 12 vezes maior do que o que apurou a equipe técnica.

 

O TCE havia recomendado a suspensão dos pagamentos, que o contrato fosse feito com valor real de mercado e que os valores já pagos sejam compensados.

 

À reportagem, o presidente da ALMT afirmou que o pagamento foi suspendo assim que notificado pelo TCE e que o contrato foi feito com base em uma licitação do próprio órgão.

 

O contrato no qual a assembleia "pegou carona" é de 2015. Meses depois, o próprio TCE teve que readequar o valor.

Análise da página "deputadodomtt"   

Avaliação: 8 de 10 | Comentários: 13 | Número de avaliações: 25
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa