14/10/2018 - Estado amplia conectividade com projeto que turbina internet
Notícia de licitação
 

JC On line

 

Objetivo da Repepe é turbinar a internet de 407 instituições de ensino em 21 municípios

 

O governo do Estado concluiu a primeira fase da Rede Pernambucana de Pesquisa e Educação (Repepe) com a construção de um backbone óptico (que realiza transporte de dados) com 1.175 quilômetros de extensão. O investimento aplicado foi de R$ 6,8 milhões provenientes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

 

O objetivo da Repepe é turbinar a internet de 407 instituições de ensino em 21 municípios, que pode variar de 1 a 10 gigabytes até o fim de 2019. Através da rede, os institutos também poderão acessar conteúdos offlines através de uma intranet. “Do ponto de vista da pesquisa acadêmica, por exemplo, uma rede de alta velocidade viabiliza o acesso e a troca de grandes dados. Já na educação básica existe a possibilidade de trabalhar conteúdos à distância, com ferramentas de ensino mais atrativas para os estudantes”, exemplificou a secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, Lúcia Melo.

 

Com a conclusão da primeira fase, a Repepe já beneficia quatro instituições localizadas em Caruaru, no Agreste: o Centro Acadêmico do Agreste da UFPE, o Armazém da Criatividade, o Centro Tecnológico do ITEP e a Escola Estadual de Referência do Ensino Médio Professor Vicente Monteiro. Além disso, há instituições que já eram beneficiadas por duas redes chamadas de Icone, no Grande Recife, e a Vasf, em Petrolina, que foram incorporadas ao Repepe, totalizando mais de 50 instituições.

 

No Armazém da Criatividade, que oferece serviços de coworking e de laboratórios de imagem, edição de vídeo e de som, prototipagem e outros, já é possível perceber um aumento no interesse em trabalhar no local. “O link da internet da gente está em 10 gigabytes. A gente trabalha com arquivos em grande resolução nos laboratórios de edição de som e imagem, então, tem muito mais rapidez para fazer transferência. Os coworkings também estão com internet de alta qualidade”, comenta o gerente do Armazém, Adalberto Rodrigues.

 

A Repepe é uma alternativa às redes corporativas utilizadas pelo Estado. Ao invés de fazer licitação para contratar um provedor que forneça link para a internet, o Estado terá uma estrutura própria compartilhada com outras entidades e empresas que ajudaram no estabelecimento da rede através de Parceria Público Privada (PPP) voluntária.

 

“É mais semelhante a um consórcio, a rede está sendo construída a diversas mãos. Na primeira fase, adquirimos equipamentos (chamados de DWDM) com o investimento do BID. Em uma comparação com uma adutora, os equipamentos são como bombas para transmitir o sinal de um ponto A para outro ponto B. A Celpe e a RNP (Rede Nacional de Pesquisa) entraram com outra parte da infraestrutura, como postes. E provedores parceiros constroem redes de fibra ótica e serão responsáveis pela manutenção, que é como se fossem a tubulação. O backbone é como uma espinha dorsal, uma grande infovia”, explica o secretário-executivo de Ciência, Tecnologia e Inovação, Leonildo Sales. A PPP voluntária também possibilita a redução de custos. Segundo Sales, se o Estado fosse fazer o backbone, gastaria aproximadamente R$ 37,8 milhões.

 

A rede tem vida útil prevista de 15 a 20 anos. Boa parte dos 400 pontos beneficiados vão ser integradas à Repepe. A rede pode coexistir com outras já existentes, como a PE Conectado, que provê serviços de internet, telefonia e videomonitoramento para instituições estaduais através de licitações. Nestes locais, a Repepe vai turbinar a conexão.

 

PRÓXIMA ETAPA

 

Os equipamentos adquiridos criaram estrutura para que a rede chegue na “porta” dos municípios. O próximo desafio é fazer a internet sair do tronco do backbone e chegar até as instituições. “Estamos avançando em Caruaru, Belo Jardim e Garanhuns. Em cada município, vamos firmar um acordo de cooperação técnica para consolidar o modelo de Parceria Público Privada (PPP) Voluntário”, explica Sales.

 

Será possível, no futuro, ampliar a rede por meio de parcerias com provedores interessados em utilizar a estrutura do Estado e dos parceiros por meio de acordos de concessão. “Por exemplo, é como se o backbone fosse uma rodovia. Cada parceiro tem uma faixa de rolamento. Se o Estado quiser conectar uma escola rural, mas não quiser contratar uma empresa para prover o link e ficar pagando por mês, pode fazer parceria com um provedor que vai fazer o serviço em troca de um par de fibras do Estado”, diz.

Análise da página "estadampliconec"   

Avaliação: 0 de 10 | Comentários: 15 | Número de avaliações: 29
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa