11/07/2019 - Fiscalização do CAU/MT trabalha na impugnação de editais
Notícia de licitação
 

CAU/MT

 

De janeiro a julho de 2019, a equipe de fiscalização do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso realizou a impugnação de cinco editais, sendo duas licitações públicas e três de concursos para cargos técnicos. A maioria das impugnações são oriundas de denúncias realizadas no SICCAU. A fiscalização se baseou na Resolução nº21 do CAU/BR, que delimita as atividades e atribuições profissionais do arquiteto e urbanista e na Lei nº 4950-A/66 que regulamenta o salário mínimo profissional.

 

No mês de fevereiro foram realizadas as impugnações do Edital de Processo Seletivo Simplificado nº001/2019 da Fundação São Vicente de Paulo de Paraopeba (FSVP) e do Pregão Eletrônico – Registro de Preços nº008/2019 da Prefeitura Municipal de Cuiabá. Nos dois casos, o motivo da contestação foi relativo a qualificação técnica, o edital não abrangia o arquiteto e urbanista em atividades para as quais ele é qualificado.

 

Em resposta, a Fundação São Vicente não acatou a impugnação, cabendo assim o encaminhamento da demanda ao jurídico do CAU/MT para medidas cabíveis. Já a Prefeitura de Cuiabá, informou que o Pregão Eletrônico foi suspenso para reanálise das especificações técnicas contidas no edital, bem como esclarecer alguns questionamentos a respeito do processo.

 

Em maio, o CAU/MT impugnou o Edital de Teste Seletivo nº001/2019 da Prefeitura Municipal de Vila Rica. A contestação foi referente a qualificação técnica e ao não cumprimento do salário mínimo profissional.  A Prefeitura não acatou a colocação de modo que o Conselho encaminhou ao jurídico que entrou com um mandato de segurança com pedido de liminar para suspender o processo seletivo. O intuito foi reabrir as inscrições por mais 15 dias e assim oferecer as vagas para o cargo de arquiteto e urbanista.

 

A Prefeitura Municipal de Vila Rica em justificativa a falta de orçamento para realizar o concurso para preencher a vaga ao cargo de arquiteto e urbanista. Sendo assim, readequou o edital excluindo as atribuições privativas do arquiteto e urbanista da vaga de engenheiro civil, evitando o exercício ilegal da arquitetura e urbanismo.

 

Já em junho, foi realizada a impugnação do Edital de Concurso Público nº001/2019 da Prefeitura Municipal de Campo Verde. A contestação foi referente ao não cumprimento do salário mínimo profissional. A Prefeitura ainda não encaminhou resposta ao pedido de impugnação do Conselho, sendo assim a contestação será encaminhada ao jurídico do CAU para o cumprimento de medidas cabíveis.

 

A última contestação foi realizada em julho, no Edital de Pregão Presencial nº001/2019 do Conselho Regional de Serviço Social. A contestação foi referente a qualificação técnica, visto que esse edital não abrangia o arquiteto e urbanista nas atividades especificadas e também ao tipo de modalidade do edital, não sendo indicado o pregão para a contratação de serviços de arquitetura e urbanismo. Em resposta a solicitação, o Conselho Regional de Serviço Social acatou a impugnação, cancelando assim o processo.

 

Para o Presidente do CAU/MT, André Nör, os editais impugnados que não atendem a qualificação técnica permitem que os profissionais participem dos processos licitatórios, abrindo assim mais oportunidades no mercado de trabalho. “Ressaltamos que o Conselho tem trabalhado de modo a valorizar a profissão e também o profissional arquiteto e urbanista na defesa do pagamento do salário mínimo profissional, assegurando assim uma remuneração adequada”, destaca ele. 

 

Qualquer pessoa que tenha conhecimento de uma irregularidade pode realizar uma denúncia junto ao Conselho. Em nosso site acesse o menu “Serviços Online”, em seguida clique em “Denúncia”, você será redirecionada para uma nova página com um formulário para preencher detalhes da irregularidade com espaço para anexar documentos que comprovem. 

 

Giovanna Fermam, Comunicação CAU/MT

Análise da página "fiscalllliiiz"   

Avaliação: 8 de 10 | Comentários: 13 | Número de avaliações: 25
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa