29/12/2020 - Governo apresenta investimento bilionário para a execução de obras em todo o estado a partir de 2021
Notícia de licitação
 

Agência AC
Lilia Camargo

 

Com mais de R$ 2 bilhões em recursos disponíveis a serem aplicados em todo o estado, o governo do Acre apresentou na manhã desta segunda-feira, 28, o cronograma de obras, licitações e projetos que devem transformar o Acre em um verdadeiro canteiro de obras a partir de 2021. Só na capital, serão investidos aproximadamente R$ 957 milhões.

 

A apresentação foi realizada no Palácio de Rio Branco, pela Secretaria de Estado de Planejamento (Seplag), na presença dos gestores das instituições estaduais que foram destacadas para a execução das obras e, ainda, do prefeito eleito Tião Bocalom e sua vice, Marfisa Galvão.

 

Com o montante já citado em caixa, já no próximo ano será possível modernizar a mobilidade urbana da capital com a construção dos primeiros grandes viadutos, assim como o anel viário de Brasileia e Epitaciolândia, restauração de todas as rodovias estaduais e das pistas dos aeródromos dos municípios isolados; iniciar o futuro Centro Político-Administrativo do governo, entre outras obras estruturantes. No total já há 16 obras em execução, outras 13 em processo de licitação, 24 em elaboração de projetos e 10 em fase de captação de recursos.

 

Aproveitando a presença de Tião Bocalom, o governador Gladson Cameli solicitou apoio da prefeitura para dar agilidade aos investimentos a serem executados em Rio Branco, e da mesma forma pretende fazer com os demais prefeitos, em reunião na Associação dos Municípios do Acre (Amac), prevista para acontecer na próxima semana.

 

“O governo está preparando o Acre para um verdadeiro canteiro de obras. O Estado não vai ser problema, o que a gente quer é parceria, pois além de estarmos preocupados em trazer melhorias a população, estamos também preocupados em gerar emprego e renda. Com certeza, trabalhando em parceria com as prefeituras, chegaremos mais longe. Tenho certeza que esse é o caminho mais correto”, disse o governador durante a apresentação.

 

Atualmente, o governo possui R$ 163 milhões de obras em fase de licitação, mais R$ 520 milhões em processo de elaboração de projeto, outros R$ 108 milhões em recursos já assegurados. Somente em convênios com a Caixa Econômica Federal são R$ 268 milhões. O Estado, por meio de operações de crédito, possui também R$ 400 milhões disponíveis. As emendas de bancadas para o próximo ano somam R$ 250 milhões, e por intermédio do relator-geral do Orçamento da União 2021, senador Marcio Bittar, o Acre tem assegurado cerca de R$ 394 milhões em recursos extras.

 

“A ideia é mostrar, dar transparência e clareza sobre quais serão os investimentos que o governo tem planejado para o Acre nesses próximos dois anos. Fizemos isso hoje na presença do prefeito eleito de Rio Branco, mas faremos essa mesma apresentação para a Amac, pois isso demonstra a vontade do governador em fortalecer a parceria com os municípios e garantir que juntos entregaremos boas benfeitorias à nossa população. Recursos nós já temos, falta acertarmos as parcerias”, destacou Ricardo Brandão, secretário de Estado de Planejamento.

 

Parabenizando o governador pelo planejamento e quantidade de investimentos a serem aplicados no estado, dando ênfase a capital, o prefeito eleito de Rio Branco, Tião Bocalom, agradeceu o espaço e a forma como vem sendo tratado pelo governo, garantindo a parceria e destravando possíveis entraves que possam impedir a progressão dos investimentos a serem executados na capital.

 

“Eu não tinha ideia do tamanho do planejamento que o governo tem preparado para o próximo ano e quero parabenizar, pois são investimentos necessários e em áreas que realmente precisamos. No que depender de mim e da Marfisa, seremos parceiros, pois depois da eleição o que interessa à população são resultados, e com certeza juntos poderemos deixar nossa marca, nosso legado de uma gestão que trouxe desenvolvimento e melhorias ao nosso povo. Podem contar conosco”, finalizou Bocalom.

Análise da página "goverrrrrrrrrrrrno"   

Avaliação: 3 de 10 | Comentários: 18 | Número de avaliações: 35
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
 
 
 
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa