07/02/2021 - Governo planeja criar plataforma de serviços digitais para eliminar uso de papel e gerar economia aos cofres públicos
Notícia de licitação
 

Portal do Governo de Mato Grosso do Sul
Ana Cristina de Souza Brito Uzun

 

Licitação será aberta até maio, para que sistema comece a funcionar já no segundo semestre. Intenção é melhorar serviços disponíveis aos cidadãos

 

O governo estadual planeja criar uma plataforma de serviços digitais para eliminar a médio prazo o uso de papel e assim gerar economia aos cofres públicos. Esta mudança ainda dará mais agilidades aos serviços disponíveis ao cidadão e ao mesmo tempo ser uma ação sustentável, que vai contribuir com o meio ambiente.

 

A previsão é que a licitação para contratar a empresa que vai conduzir o processo seja aberta até maio, para que logo no começo do segundo semestre, a plataforma já comece a ser implantada. A expectativa é que em dois anos todos os trabalhos estejam no formato digital.

 

Nosso objetivo é oferecer um serviço mais ágil e rápido para população” - superintendente de Gestão Estratégica da Secretaria de Governo, Thaner Nogueira.

 

“Começamos a discussão deste projeto ainda em 2019 e no ano passado ganhou corpo, com a vinda da pandemia tivemos que esperar um pouco, agora o processo vai sair. Nosso objetivo é além de reduzir os custos do poder público, oferecer um serviço mais ágil e rápido para população”, explicou o superintendente de Gestão Estratégica da Secretaria de Governo, Thaner Nogueira.

 

Ele explicou que os “processos antigos” que foram iniciados no modelo físico, vão continuar neste formato, no entanto os novos já vão se adequar ao processo digital. Para viabilizar este projeto serão usados recursos do Projeto de Modernização da Gestão Fiscal do Estado de Mato Grosso do Sul (Profisco II-MS), que é uma parceria do governo estadual com o BID (Banco Internacional de Desenvolvimento).

 

De acordo com Nogueira, após o processo licitatório, a empresa escolhida firmará um contrato por um período de 24 meses. Depois desta fase, caberá a Superintendência de Gestão Estratégica (SGE) dar suporte e conduzir as plataformas. “O objetivo é já começar este processo digital em etapas a partir do segundo semestre”.

 

Com esta mudança para o processo virtual, haverá redução de custos aos cofres públicos em diversas frentes. “A economia será em vários aspectos, desde a não utilização de papel, como outros custos, mas principalmente, dará celeridade em todo processo. É uma série de ganhos”, descreveu.

 

O superintendente explicou que ainda será definido quais serão as etapas do processo (digitalização) e está sendo estudado a previsão de custo do projeto. “Todo processo será divulgado de forma transparente, assim como o processo licitatório”.

 

Modernização

 

O governador Reinaldo Azambuja defende a modernização do Estado.

 

Desde o começo da gestão, o governador Reinaldo Azambuja defende a modernização do Estado, com investimentos em tecnologia e adesão aos serviços digitais, para além de gerar economia, reduzir a burocracia e dar mais agilidade aos serviços públicos para população.

 

“O governo vai continuar fazendo reformas que visem eficiência. Um dos objetivos é tornar o Estado mais digital do país. O plano de digitalização dos serviços públicos vai reduzir o custo do Estado na prestação do serviço e agilizar procedimentos burocráticos”, disse o governador.

 

"Estamos falando em inovação e mudança de conceitos para ganhar eficiência e dar suporte à sociedade”, declarou o secretário Riedel.

 

O secretário de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, também destaca a importância dos investimentos do Estado em tecnologia, inovação e serviços digitais, que ajudam no crescimento econômico e eficiência nos serviços.

 

"As medidas adotadas pelo Governo do Estado interferem no processo de desenvolvimento, sempre com o objetivo de melhorar o serviço e a eficiência daquilo que é prioridade para a sociedade. Nosso projeto é ousado e reformador. Estamos falando em inovação e mudança de conceitos para ganhar eficiência e dar suporte à sociedade”, declarou Riedel.

 

O projeto de criação de plataformas de serviços digitais no Governo de Mato Grosso do Sul está sendo conduzido pela Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), por meio da Superintendência de Gestão Estratégica, em conjunto com a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz).

 

Assessoria de Comunicação do Governo do Estado 

Análise da página "gvnplllllllanjjjja"   

Avaliação: 3 de 10 | Comentários: 18 | Número de avaliações: 35
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa