28/12/2018 - Justiça suspende mais de 10 licitações marcadas para 31 de dezembro e alega restrição à concorrência
Notícia de licitação
 

G1 Tocantins

 

Quatro municípios agendaram licitações presenciais para a data, véspera de feriado internacional. Para o MPF, a suspeita é de direcionamento da licitação para favorecimento de determinadas empresas.

 

A Justiça Federal suspendeu mais de 10 licitações que seriam realizadas em quatro municípios, no dia 31 de dezembro. O argumento é de que as sessões agendadas para a véspera do feriado internacional representam restrição ao caráter competitivo e favorecimento de empresas. A decisão é do juiz plantonista Eduardo de Melo após pedido do Ministério Público Federal.

 

Os processos licitatórios tinham sido agendados pelos municípios de Buriti do Tocantins, Jaú do Tocantins, São Bento do Tocantins e Pedro Afonso para a contratação de vários serviços. Na ação, o procurador da República Fernando Antonio de Alencar cita todas as licitações agendadas.

 

Em uma delas, o município de São Bento do Tocantins informa licitação para contratação de serviços funerários com fornecimento de urnas. Em outra, o município de Buriti do Tocantins comunica licitação para contratar serviços médicos e exames de ultrassonografia, por meio de pregão presencial. Ou seja, para participar, as empresas deveriam comparecer presencialmente na sede da prefeitura. Em outro processo, o mesmo município convoca empresas para fornecimento de merenda escolar.

 

Na ação, o procurador pede a suspensão dos processos alegando que nessa data as empresas não funcionam ou funcionam de forma parcial. "A realização de licitações nessas datas pode contribuir sobremaneira para a participação de um reduzido número de interessadas, em um momento de crise em que a administração pública precisa fomentar a concorrência para baixar o preço e, assim, obter melhores condições", alega ele.

 

O procurador verificou também que no dia 31 os próprios municípios decretam pontos facultativo, o que revela má-fé por parte dos gestores. Para o juiz federal, é "inusitado", que mesmo assim, as prefeituras agendem licitações.

 

Além disso, as sessões não foram devidamente divulgadas pelas prefeituras, nem mesmo nos sites dos municípios, o que contraria o princípio da publicidade dos atos.

 

No processo, o procurador argumenta também que os casos revelam uma possível intenção dos municípios em reduzir o número de participantes de modo a possibilitar o direcionamento da licitação para favorecimento de determinadas empresas. Diz também que essa conduta sinaliza um provável conluio dos agentes públicos com representantes de empresas.

 

Resposta

 

O prefeito de Buriti do Tocantins, Americo dos Reis Borges, disse que vai recorrer da decisão. "Para fazer uma licitação gastamos dois ou três meses. Em janeiro, as aulas voltam, precisamos ter merenda, tem que ter médicos para atuarem nos hospitais". Ele disse ainda que as licitações não são direcionadas, já que várias empresas atuam na região e poderiam participar da concorrência.

 

A prefeitura de Pedro Afonso informou que acatará a decisão do magistrado, mas que "não tem quaisquer interesse em privar a participação de nenhum concorrente, mas, sim, otimizar o atendimento às demandas do município durante o início do ano de 2019".

 

A Prefeitura de Jaú do Tocantins disse acreditar que o pedido do Ministério Publico Federal é relativo a outro município onde a verba federal esteja envolvida, e que "o procedimento licitatório designado para o dia 31 de dezembro de 2018 é inerente a republicação de procedimento já ocorrido no dia 29 de novembro de 2018".

 

O prefeito de São Bento do Tocantins não atendeu as nossas ligações.

Análise da página "justticasussppend"   

Avaliação: 2 de 10 | Comentários: 17 | Número de avaliações: 33
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa