16/02/2019 - Licitação do governo de MT no valor de R$ 1 milhão para a compra de colheres descartáveis a R$ 6 cada tem indícios de irregularidades
Notícia de licitação
 

TV Centro América
Eunice Ramos

 

Pregão eletrônico foi aberto às 13h36 e durou apenas dois minutos. Apenas uma empresa, que funciona em uma casa no Parque Cuiabá, se habilitou para fornecer as colheres, o que fere a Lei das Licitações, segundo observatório.

 

Um observatório social composto por 14 instituições foi criado em Mato Grosso para monitorar as despesas feitas pelo poder público. A primeira ação dele foi identificar e apontar irregularidades em uma licitação com preços bem acima do mercado. São R$ 971.114 mil para a compra de 153.279 colheres de plástico, ou seja R$ 6 cada.

 

O governo do estado informou nessa sexta-feira (15) que o pregão realizado no dia 2 de janeiro deste ano iniciou na gestão anterior que, diante dos questionamentos do observatório, decidiu "em caráter preventivo" suspender o pregão, não estando autorizada qualquer contratação ligada a ele.

 

O observatório conta com a participação de voluntários e representantes de sindicatos, conselhos e ONGs para monitorar as contas do governo.

 

Os voluntários identificaram indícios de irregularidade em um pregão do governo do estado realizado no dia 2 de janeiro e publicado no Diário Oficial do Estado 21 dias depois.

 

O pregão eletrônico foi aberto às 13h36 e durou apenas dois minutos. Apenas uma empresa se habilitou para fornecer as colheres de polipropileno, um tipo de plástico, na cor azul com a capacidade para 10 ml.

 

Em uma loja de utilidades da capital, a equipe de reportagem encontrou colheres iguais à comprada pelo governo, com capacidade para 10 ml. A diferença é o preço unitário: R$ 1,05.

 

A ONG já encaminhou um ofício para o governo recomendando a suspensão de compras com base nesse pregão e a instauração de uma investigação para apurar os fatos.

 

"Dentro do processo existem fatos que são crime, crime contra a Lei de Licitações. Não pode ser escolhida a empresa se tiver só uma concorrente e foi o que aconteceu", disse Euda Valim Fim, da Ong Moral.

 

Margem alta para o estado

 

A empresa que venceu o pregão funciona em uma casa no Bairro Parque Cuiabá.

 

A proprietária reconheceu que o valor está bem acima dos preços de mercado e tentou justificar. Carla Lopes Coelho, empresária, disse que sempre coloca preço acima por causa dos impostos.

 

"Do meio do ano passado para cá, estou trabalhando com uma margem mais alta para o estado, porque o estado não está com dinheiro para pagar a gente. Até onde me recordo ninguém pediu para baixar o preço e ficou esse preço", declarou.

 

Segundo ela, o estado não a chamou para negociar.

Análise da página "licatacaodoggov"   

Avaliação: 0 de 10 | Comentários: 15 | Número de avaliações: 29
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa