Limite Mínimo Para Classificação de Proposta Técnica
 
Publicado em 13 de Novembro de 2017
Por Felipe Boselli
OAB/SC 29.025
 
As propostas técnicas são utilizadas nas licitações do tipo (critério de julgamento) “melhor técnica” e “técnica e preço”, conforme determina o art. 46 da Lei 8.666/1993, que detalha o procedimento desses dois tipos de licitação da seguinte forma:
 

Art. 46.  Os tipos de licitação "melhor técnica" ou "técnica e preço" serão utilizados exclusivamente para serviços de natureza predominantemente intelectual, em especial na elaboração de projetos, cálculos, fiscalização, supervisão e gerenciamento e de engenharia consultiva em geral e, em particular, para a elaboração de estudos técnicos preliminares e projetos básicos e executivos, ressalvado o disposto no § 4° do artigo anterior

  • 1º Nas licitações do tipo "melhor técnica" será adotado o seguinte procedimento claramente explicitado no instrumento convocatório, o qual fixará o preço máximo que a Administração se propõe a pagar:

I - serão abertos os envelopes contendo as propostas técnicas exclusivamente dos licitantes previamente qualificados e feita então a avaliação e classificação destas propostas de acordo com os critérios pertinentes e adequados ao objeto licitado, definidos com clareza e objetividade no instrumento convocatório e que considerem a capacitação e a experiência do proponente, a qualidade técnica da proposta, compreendendo metodologia, organização, tecnologias e recursos materiais a serem utilizados nos trabalhos, e a qualificação das equipes técnicas a serem mobilizadas para a sua execução;

II - uma vez classificadas as propostas técnicas, proceder-se-á à abertura das propostas de preço dos licitantes que tenham atingido a valorização mínima estabelecida no instrumento convocatório e à negociação das condições propostas, com a proponente melhor classificada, com base nos orçamentos detalhados apresentados e respectivos preços unitários e tendo como referência o limite representado pela proposta de menor preço entre os licitantes que obtiveram a valorização mínima;

III - no caso de impasse na negociação anterior, procedimento idêntico será adotado, sucessivamente, com os demais proponentes, pela ordem de classificação, até a consecução de acordo para a contratação;

IV - as propostas de preços serão devolvidas intactas aos licitantes que não forem preliminarmente habilitados ou que não obtiverem a valorização mínima estabelecida para a proposta técnica.

  • 2° Nas licitações do tipo "técnica e preço" será adotado, adicionalmente ao inciso I do parágrafo anterior, o seguinte procedimento claramente explicitado no instrumento convocatório:

I - será feita a avaliação e a valorização das propostas de preços, de acordo com critérios objetivos preestabelecidos no instrumento convocatório;

II - a classificação dos proponentes far-se-á de acordo com a média ponderada das valorizações das propostas técnicas e de preço, de acordo com os pesos preestabelecidos no instrumento convocatório.

 

Na licitação de melhor técnica, só são abertas as propostas de preço das licitantes que tiverem suas propostas técnicas classificadas com nota igual ou superior ao que foi determinado como piso para a classificação técnica das proponentes, como expresso no inciso II do § 1° do art. 46 da Lei 8.666/1993.

 

Dessa forma, na licitação de “melhor técnica”, é obrigatório que o edital defina uma pontuação mínima para a classificação técnicas das propostas técnica dos concorrentes e aquelas que não alcançarem tal pontuação serão desclassificadas tecnicamente e esses licitantes excluídos do certame, sem que seu preço seja revelado.

 

Já na licitação de “técnica e preço”, cujo procedimento está detalhado no § 2° do art. 46 da Lei 8.666/1993, não pode haver imposição de nota mínima para classificação das propostas técnicas. As licitantes de todas as propostas técnicas que forem classificadas continuam no certame, independente da valorização de suas propostas técnicas e terão as suas propostas de preços conhecidas.

 

Notem que o procedimento adotado para a licitação de “técnica e preço”, estabelecido no citado § 2° do artigo 46, repete apenas o inciso I do § 1°, que se refere a licitação de “melhor técnica”, as demais etapas estão detalhadas nos incisos I e II do § 2° desse mesmo artigo.

 

Como a regra de que “proceder-se-á à abertura das propostas de preço dos licitantes que tenham atingido a valorização mínima estabelecida no instrumento convocatório” está no inciso II do § 1° do art. 46, ela é utilizada apenas nas licitações de “melhor técnica”, não podendo ser empregada nos certames de “técnica e preços”.

 

Dessa forma, o edital deve prever uma nota mínima para a classificação da proposta técnica nas licitações de “melhor técnica” para que a licitante continue no certame na a fase seguinte, que é a classificação da proposta de preços. Já na licitação de “técnica e preços” todas as concorrentes com propostas técnicas classificadas, quaisquer que sejam as suas notas técnicas, continuam no certame e terão suas propostas de preços abertas para que seja feito o julgamento final, por intermédio da média ponderada das valorizações das propostas técnicas e de preço.

 

Cabe ressaltar que, em ambos os casos, “melhor técnica” e “técnica e preços”, se a proposta técnica não atender a uma condição obrigatória estabelecida no edital, ou apresentar erro que impeça o seu aproveitamento, tal proposta deverá ser desclassificada, independentemente da pontuação que receberia se estivesse correta.

Análise da página "limite-minimo-proposta-tecnica"   

Avaliação: 5 de 10 | Comentários: 30 | Número de avaliações: 59
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa