09/03/2020 - “Máfia dos sem contrato”: gastos da Saúde do DF subiram 23.024%
Notícia de licitação
 

Metrópoles
Isadora Teixeira e Ricardo Taffner

 

Tabelas apontam quanto as pastas da Saúde e Educação pagaram sem previsão contratual. Maior dispêndio se deu na gestão Rollemberg

 

O Governo do Distrito Federal (GDF) levantou as despesas sem contratos dos últimos 10 anos na Secretaria de Saúde e na Secretaria de Educação.

 

As tabelas obtidas pelo Metrópoles e analisadas pelo (M)Dados, núcleo de processamento de grande volume de informações do portal, mostram que, apenas na Saúde, houve aumento de 23.024,90% desse tipo de pagamento nos últimos 10 anos.

 

O pagamento por indenização ocorre quando a empresa encaminha notas fiscais para validação e o pagamento deve ser realizado de acordo com o serviço prestado no mês. Em outras palavras, a empresa executa o serviço mesmo sem previsão contratual e apresenta a fatura só depois.

 

Em 2011, na gestão Agnelo Queiroz (PT), a Saúde teve despesas de R$ 2.184.533,04. Em 2017, no governo de Rodrigo Rollemberg (PSB), os dados saltaram para R$ 505.171.168,63, de acordo com o levantamento do GDF.

 

A Secretaria de Saúde desembolsou, sem contratos, R$ 1.506.392.324,59, de 2010 a 2019. O dinheiro foi destinado a custear, por exemplo, serviços de limpeza, alimentação, combustível, segurança, aquisições, lavanderia e telefonia.

 

Os pagamentos por meio de indenização durante o governo Agnelo, de 2011 a 2014, somam R$ 79.122.491,40. Na gestão Rollemberg, de 2015 a 2018, as despesas alcançaram R$ 1.415.724.126,77. Em 2019, primeiro ano do governo de Ibaneis Rocha (MDB), o desembolso foi de R$ 7.504.024,39.

 

A Educação teve R$ 365.566.852,02 em despesas indenizatórias entre 2012 e o início de 2020.

 

“Máfia”

 

Ibaneis criticou publicamente, na terça-feira (03/03), o aumento dos pagamentos indenizatórios, ocasião em que não há contratos, e denunciou irregularidades em licitações.

 

O governador também indicou existência de “máfia” envolvendo empresas e servidores, principalmente da Educação e Saúde.

 

Após a manifestação do emedebista, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) solicitou informações sobre as irregularidades citadas por Ibaneis, que passou a encaminhar os dados levantados pelo governo.

 

A Controladoria-Geral do Distrito Federal (CGDF) ficou responsável pela fiscalização dos contratos emergenciais e sem cobertura. Um decreto assinado na quarta-feira (04/03) por Ibaneis prevê que todas as secretarias deverão apresentar relatórios sobre essas contratações sem licitação para a CGDF em 10 dias.

 

Conforme a norma, os pagamentos indenizatórios sem cobertura deverão ser regularizados em até seis meses.

 

O outro lado

 

À coluna, a Secretaria de Saúde disse que o GDF tem “demonstrado, em números, a diminuição de pagamentos indenizatórios”. “O objetivo é, no prazo de seis meses, acabar com qualquer indenizatório na Secretaria da Saúde, conforme decreto governamental”, frisou.

 

A Secretaria de Educação informou que “está em processo de regularização de todos os contratos”.

 

A reportagem tentou contato com Rodrigo Rollemberg, mas não obteve retorno antes da publicação da reportagem. Na manhã desta segunda-feira (09/03), após a veiculação da matéria, Rodrigo Rollemberg disse que parte dos pagamentos realizados durante a gestão se refere a serviços prestados no governo anterior.

 

“Quando pegamos o governo, tínhamos R$ 600 milhões de dívida na saúde e parte era de serviços prestados de forma indenizatória”, afirmou.

 

O ex-governador pontuou, ainda, que o então secretário de Saúde do seu governo, Humberto Fonseca, criou uma comissão responsável pela elaboração dos contratos. “Conseguimos reduzir em mais de 99% os serviços prestados de forma indenizatória. Quando se fala, corretamente, que só foram pagos R$ 7 milhões de indenizatórios no ano passado, é exatamente porque entregamos os serviços contratualizados”, frisou.

Análise da página "maffffiiiiia"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 12 | Número de avaliações: 23
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa