12/11/2018 - Marinha fará licitação de US$ 1,6 bilhão em navios de guerra no 1º trimestre de 2019
Notícia de licitação
 

Infomoney

 

A licitação envolve navios de combate de superfície, capazes de enfrentar ameaças aéreas, outros navios e submarinos

 

(Bloomberg) - Uma licitação de pelo menos US$ 1,6 bilhão aguarda na gaveta a posse do novo Presidente da República. A Marinha divulgou em outubro a lista dos 4 consórcios selecionados numa licitação lançada ainda em junho, o Projeto Tamandaré, na qual se inscreveram 9 grupos para a fabricação de navios escolta.

 

A decisão final, inicialmente prevista para o fim de 2018, acabou adiada para o primeiro trimestre de 2019. Nos consórcios selecionados, figuram empresas como Embraer, Weg e Wilson Sons, além de grupos internacionais da França, Alemanha e Itália como Ficantieri, Thyssenkrupp Marine, Damen Schelde e Saab AB.

 

A Marinha diz ainda não ter conversado com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que toma posse em 1 de janeiro. O vice-almirante Petrônio Augusto Siqueira de Aguiar, diretor de gestão de programas da Marinha, disse que os critérios abrangem desempenho do navio, ciclo de vida, modelo de negócios e participação da indústria nacional, segundo entrevista por email à Bloomberg.

 

Segundo ele, “houve a necessidade de postergar o prazo para permitir os refinamentos das propostas e negociações posteriores, a fim de garantir as condições apropriadas à decisão da melhor oferta”, segundo resposta por email sobre o adiamento da escolha.

 

A licitação envolve navios de combate de superfície, capazes de enfrentar ameaças aéreas, outros navios e submarinos. O projeto Classe Tamandaré envolve corvetas ou fragatas leves. A licitação em aberto envolve a escolha de um consórcio para produzir 4 corvetas.

 

“O projeto trará a possibilidade de geração de cerca de 2.000 empregos diretos, além dos indiretos, com o envolvimento das empresas nacionais de construção naval, bem como da base industrial de defesa, disse o vice-almirante.

 

Definir o vencedor dessa licitação não será o único desafio do futuro governo: a Marinha tem hoje 11 navios escolta, com idade média de mais de 30 anos, próximos do fim de sua vida útil.

 

“A Marinha precisará repor os navios que vão sair de serviço para não ter sua capacidade mínima de combate ainda mais comprometida. Até 2025 pelo menos mais seis navios serão desativados, pois sua vida útil está chegando ao fim”, disse o ex-integrante da Marinha e consultor em assuntos militares Alexandre Galante.

 

“A Marinha tinha o projeto Prosuper, engavetado durante o governo Dilma, que previa a aquisição de 5 navios escolta de 6.000 toneladas de deslocamento, ou seja, navios com o dobro do deslocamento do Projeto Tamandaré ora em curso”, disse.

 

“O Prosuper deve ser retomado tão logo a situação econômica permita e mais um lote de corvetas Tamandaré deve ser encomendado no futuro”, acredita. Compras de oportunidade podem surgir para preencher a lacuna deixada entre a desativação dos navios atuais e a entrada em serviço dos novos navios, disse o consultor.

Análise da página "marinhafarr"   

Avaliação: 6 de 10 | Comentários: 11 | Número de avaliações: 21
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa