05/08/2020 - Ministério Público de Contas apura suspeita de irregularidades na compra de álcool em SP
Notícia de licitação
 

Revista Seleções
Folhapress

 

SÃO PAULO, SP – O Ministério Público de Contas de SP investiga a gestão João Doria (PSDB) por supostas irregularidades em uma compra de 50 mil litros de álcool a ser usado no controle da pandemia da Covid-19 – o que o governo paulista nega.

 

A compra foi feita por dispensa de licitação e custou R$ 1,1 milhão, pago até 3 de junho.

 

A apuração do Ministério Público de Contas, assinada pelo procurador-geral Thiago Pinheiro Lima, mostra que o endereço registrado pela empresa na Junta Comercial de SP não indica que lá funciona a companhia contratada. No local, há uma empresa de limpeza de carros.

 

Na compra feita pelo governo paulista, cada mililitro de álcool custou R$ 0,022. Em contratações feitas pelo estado antes, o preço mais caro pago foi de R$ 0,0123 por mililitro. "Ou seja, comparativamente, o valor da contratação em análise alcançou patamar 78,86% superior ao maior valor praticado pelo estado entre os meses de março e maio de 2020", escreve o procurador.

 

O valor é maior também do que o que quatro municípios paulistas pagaram pelo mesmo produto durante a pandemia, de R$ 0,009 por mililitro de álcool, segundo a investigação.

 

Além disso, de acordo com o órgão, o orçamento feito pelo governo antes da compra pesquisou preços de álcool em gel, e não álcool líquido, objeto da contratação. O orçamento também traz valores acima do que as próprias fabricantes anunciavam.

 

É o caso do álcool orçado pela KTepi, que custa no site da empresa R$ 13,99 (mesmo para quem adquirir uma única unidade), mas orçado pelo governo por R$ 16,50.

 

À reportagem o governo de São Paulo diz que a comparação com as outras licitações é indevida, porque o produto comprado vem em frascos com spray, com "maior segurança e economicidade na utilização", recomendado pela equipe de enfermagem.

 

Já os outros preços comparados pelo Ministério Público de Contas, segundo o governo, são do modelo refil (para reabastecer recipientes), "inapropriados para manuseio dos profissionais". Além disso, havia escassez do produto no mercado quando a compra foi feita.

 

"A compra só foi realizada após pesquisa com quatro fornecedores de produto com a mesma finalidade: álcool etílico 70%, álcool isopropílico menor que 5%, apropriado para higienização de mãos. Das quatro participantes, três apresentaram o produto na versão gel em valor aproximadamente 50% mais caro que a versão líquida, apresentado apenas por uma empresa."

 

O governo diz também que a empresa apresentou documentos que comprovam sua regularidade e que no endereço citado pelo procurador-geral funciona o escritório da firma.

Análise da página "miiiiiniiiiisttt"   

Avaliação: 1 de 10 | Comentários: 16 | Número de avaliações: 31
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa