02/082018 - MP denuncia 19 pessoas por suposto esquema de cartel e fraude a licitações para coleta de lixo no Paraná
Notícia de licitação
 

G1 PR e RPC Foz do Iguaçu
Aline Pavaneli

 

Operação Container foi deflagrada em julho, e os denunciados devem responder pelo crime de organização criminosa. Até a publicação desta reportagem, a denúncia não tinha sido recebida pela Justiça.

 

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) denunciou, nesta quinta-feira (2), 19 pessoas por envolvimento em um suposto esquema de cartel e fraude a licitações para coleta de lixo em várias cidades do Paraná, investigado pela Operação Container.

 

Deflagrada em 24 de julho, a ação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em parceria com o Grupo Especializado na Proteção do Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria), prendeu 12 pessoas.

 

Seis delas continuam presas preventivamente, ou seja, por tempo indeterminado. O MP-PR pediu a manutenção dessas prisões. Até a publicação desta reportagem, a denúncia não tinha sido recebida pela Vara Criminal de Laranjeiras do Sul, na região central do estado, responsável pelo caso.

 

Entre os denunciados estão casal dono da empresa Pema, de Dois Vizinhos, onze sócios de empresas do Grupo Stang, de Nova Esperança de Sudoeste, e cinco funcionários do grupo. Também foram denunciados um ex-estagiário do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e José Carlos Bieger, servidor do órgão em Francisco Beltrão.

 

Na denúncia, os promotores pedem ainda o afastamento do servidor do IAP e que ele seja proibido de frequentar qualquer sede do Instituto.

 

Segundo a denúncia, pelo menos desde 2012, dois grupos empresariais dividem o mercado e apresentam propostas de cobertura em processos de licitação para garantir que o acordo respeitasse a carteira de contratos de cada empresa.

 

Em um desses grupos, o MP-PR identificou algumas empresas de fachada, em nome de várias pessoas da mesma família. Essas empresas forneciam orçamentos para ajudar na fixação do preço máximo de licitações e na formação do orçamento preliminar.

 

Ao menos duas dessas empresas, apesar da inatividade, apresentaram intensa movimentação financeira, ainda de acordo com o MP-PR.

 

De acordo com os promotores, uma dessas empresas foi “utilizada para o pagamento de propina ao ex-estagiário público do IAP e também membro da organização criminosa”.

 

Conforme o MP-PR, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) colabora com as investigações, que continuam a apurar os crimes de cartel, fraude à licitação, corrupção ativa e passiva e crimes contra o meio ambiente em licitações municipais para contratação dos servços.

 

O outro lado

 

As defesas de Augustinho Stang, dono do Grupo Stang, e de Gilmar Perin, da empresa Perin, não se manifestaram até a publicação desta reportagem.

 

O servidor do IAP José Carlos Bieger ainda não tem defesa cadastrada o processo.

 

O IAP tem declarado que continua prestando todas as informações necessárias a fim de contribuir com as investigações e que será aberta uma sindicância para apurar possíveis condutas ilegais e irregulares do servidor e também do ex-estagiário.

Análise da página "mpdenuncia19"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 12 | Número de avaliações: 23
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa