22/10/2018 - MPF acusa ex-prefeito de São Sebastião e mais quatro por desvio de recursos em obra
Notícia de licitação
 

G1 Vale do Paraíba e Região

 

De acordo com a denúncia, Ernane Primazzi (PSC) superfaturou itens e pagou por serviços não prestados. Prejuízo foi de R$ 116 mil, diz a procuradoria. Político e a empresa que fez a obra negam qualquer irregularidade.

 

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o ex-prefeito de São Sebastião (SP), Ernane Primazzi (PSC) e mais quatro pessoas, entre elas o ex-secretário de de Planejamento, pelo desvio de recursos públicos nas obras para a implantação de rotatórias entre 2010 e 2014. De acordo com a acusação, o prefeito teria superfaturado itens e pago por serviços não prestados, o que causou dano ao erário de R$ 116,6 mil. O político e a empresa negam qualquer irregularidade. (leia abaixo)

 

A procuradoria pede à Justiça que eles sejam condenados por associação criminosa, crime licitatório e desvio de verbas federais e municipais, e paguem multa de R$ 233 mil. A denúncia ainda não foi apreciada pela Justiça Federal - não há prazo.

 

Segundo o órgão, que divulgou a acusação na última sexta (19), a irregularidade foi cometida no pacote de obrasde infraestrutura do sistema viário da cidade, com financiamento federal. À época, a prefeitura recebeu R$ 500 mil do Ministério das Cidades e injetou R$ 85 mil de verba municipal.

 

As investigações do MPF identificaram fraude na elaboração do projeto, que previa quantidade de itens além da necessária e valores superfaturados. Um laudo feito à pedido do orgão pela Polícia Federal apontou que a obra ficou mais cara por causa dos excessos.

 

Além do projeto, também foram identificadas irregularidades na execução, com o pagamento de serviços que não foram prestados. Entre os exemplos estão a demolição asfáltica em metragem menor do que a determinada no contrato. Com isso, outros serviços previstos, como os de remoção e transporte do entulho, também foram menor do que os apontados no projeto -isso impacta diretamente no preço da obra.

 

A ação denunciou servidores do primeiro escalão da administração Primazzi, como o ex-secretário de Planejamento, Roberto Alves dos Santos, e o diretor de Obras Públicas, Ricardo Rubson Santos Mattos. Nos relatórios das obras apresentados, segundo o MP, os itens não cumpridos teriam sido supervisionados e incluídos nos relatórios como concluídos.

 

"Apesar de a obra ter sido 100% concluída, no caso concreto, além de pagar por itens não cumpridos, deixaram de executar serviços previstos e, ainda, superfaturaram valores, tudo isso em benefício de agentes públicos e de particulares que atuavam em conluio", destaca a procuradora da República Walquiria Imamura Picoli, autora da denúncia.

 

A denúncia do MPF cita além dos gestores públicos, o sócio e um funcionário da contratada para obra, Ideal Terraplenagem, sendo Robson Sant Anna, e o engenheiro e gerente de contratos e obras da empresa, João Paulo dos Santos Chagas.

 

Outro lado

 

O ex-prefeito Ernani Primazzi informou por telefone que não foi acionado pelo MPF para prestar qualquer esclarecimento sobre a investigação e negou qualquer irregularidade. Disse que a licitação foi aprovada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e a verba liberada para a empresa contratada após a fiscalização da Caixa Econômica Federal.

 

“Os preços apontados na licitação foram decididos com base nas referências do tribunal de contas, que aprovou a licitação. Além disso, a Caixa acompanhou a obra, com fiscalizações periódicas com seus engenheiros para liberar a verba à contratada. Sou favorável às apurações, que tudo seja esclarecido e que responsáveis sejam punidos, mas o que está acontecendo comigo é perseguição. Não fui chamado pelo órgão para prestar esclarecimentos e estou sendo exposto”, disse o político.

 

Por nota, a empresa Ideal Terraplenagem informou não ter cometido nenhuma irregularidade no contrato apontado pelo MPF. Disse ainda que vai prestar todos os esclarecimentos durante o processo. "A empresa está no mercado há 18 anos, não possui nenhum processo e sempre pautou pela ética e lisura em todos os contratos".

 

Os outros denunciados não foram localizados pela reportagem até a publicação. O G1 segue tentando contato com o ex-secretário e o ex-diretor.

Análise da página "mpffacusasexpreffe"   

Avaliação: 3 de 10 | Comentários: 18 | Número de avaliações: 35
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa