07/02/2019 - NOVACAP e DF devem ressarcir empreiteira, decide TJDFT
Notícia de licitação
 

Brasília de Fato

 

A parte requerente relatou ter ganho licitação para a construção da Mini Vila Olímpica em Sobradinho, com a proposta de R$3.656.326,72

 

Juiz substituto da 2ª Vara da Fazenda Pública do DF condenou a Novacap e o Disitrito Federal a ressarcirem uma empresa de engenharia em R$120.458,76, por obras realizadas extracontratualmente.

 

No entanto, durante a execução do serviço, recebeu autorização para realizar obras que não estavam previstas no contrato administrativo original. Logo, requereu o ressarcimento pelos serviços prestados a maior.

 

Em contestação, a Novacap sustentou que a função da empresa era meramente fiscalizatória, razão pela qual não lhe restaria obrigação quanto ao eventual ressarcimento. No mais, afirmou que a realização das obras, além do previsto contratualmente, foi objeto de análise pela Secretaria de Obras, em processo administrativo que apreciou o pedido de aditamento financeiro realizado pela parte autora, e que o pedido fora indeferido. Alegou que, mesmo assim, as obras teriam sido realizadas pela empresa autora sem autorização e que, posteriormente, teria sido protocolado novo pedido de aditamento financeiro. Sustentou, por fim, a ausência de direito da parte autora à indenização pleiteada.

 

O Distrito Federal alegou que o contrato administrativo para realização de obras é um ato formal e que, portanto, necessitaria de novo procedimento licitatório para autorizar a autora a realizar as obras relatadas. Sustentou a ausência de boa-fé da empresa autora, sob o fundamento de que seria uma empresa com vasta experiência no ramo da construção civil e, logo, conhecia a necessidade de realização de licitação para as novas obras. Além disso, alegou que as obras realizadas integravam o objeto principal do contrato administrativo firmado com a empresa e que, ao alegar que foram realizadas obras sem previsão contratual, a parte autora, na realidade, estaria tentando evadir-se de sua obrigação contratual.

 

Segundo o magistrado que analisou o caso, restou incontestável a autorização do DF para realização das obras, conforme verificado em ofício do Secretário Adjunto da Secretaria de Esportes do Distrito Federal, autorizando sua execução, sob o argumento de que as alterações iriam contribuir para elevar a qualidade técnica da proposta pedagógica dos centros. “Logo, não há que se falar em ausência de autorização do DF”, concluiu. O magistrado destacou ainda, com base em laudo pericial, que as arquibancadas das quadras poliesportiva coberta, de areia e de futebol society, construídas pela parte autora, foram previstas no projeto básico da licitação, porém não foram orçadas e nem contabilizadas; que o cercamento completo de todo o perímetro da quadra de futebol society também não havia sido previsto no projeto básico da licitação; e que o serviço de plantio de grama no talude não constava no orçamento inicialmente apresentado.

 

O juiz confirmou, assim, que foram realizados serviços, com autorização do DF e fiscalização da Novacap, que extrapolaram o projeto básico da licitação, sem aditamento contratual.

 

“Nesse sentido, resta evidente a obrigação da Administração em ressarcir valores gastos pelo contratado que decorrem de alteração do contrato original, expressamente autorizado e determinado pelo Distrito Federal”.

 

Em relação ao valor a ser ressarcido, constava dos autos documento assinado por engenheiro da Novacap, que aprovou os valores e quantitativos requeridos pela parte autora, conforme planilha de serviços executados.

 

“Nesses termos, mostra-se devida a indenização no montante de R$120.458,76. Mencionado valor corresponde a um acréscimo de 3,3% no preço do contrato celebrado com a Administração”.

 

Cabe recurso da sentença.

Análise da página "novacapedf"   

Avaliação: 5 de 10 | Comentários: 10 | Número de avaliações: 20
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa