28/12/2019 - Portal unificado de legislação municipal será implantado em SC
Notícia de licitação
 

Engeplus

 

Fecam e CIGA serão parceiras, fornecendo a base de dados do DOM/SC

 

Em 2020, o cidadão catarinense deverá contar com um portal unificado onde acessará com mais facilidade e confiança as informações legais dos órgãos reguladores, poderes executivos e legislativos dos municípios de Santa Catarina. A assinatura do termo de cooperação entre onze instituições aconteceu neste mês de dezembro, capitaneadas pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), para a implantação do Programa Transparência Legal.

 

A Federação Catarinense de Municípios (Fecam) e o Consórcio de Informática na Gestão Pública Municipal (CIGA) têm papel fundamental nesse processo, que é o de integrar os municípios à ação e disponibilizar a ferramenta desenvolvida pelo Consórcio e já consolidada pelo CIGA – o Diário Oficial dos Municípios de Santa Catarina (DOM/SC).

 

Em dezembro deste ano o CIGA comemorou três mil edições e cerca de 2,2 milhões de atos municipais no DOM - leis, portarias, contratos, licitações, decretos, editais – em seus 11 anos de prestação de serviço. O DOM/SC é a ferramenta mantida pelo CIGA, portal específico para publicações sobre atos públicos de instituições municipais de Santa Catarina. No Programa Transparência Legal, o DOM/SC será integrado em uma plataforma própria, sem custos adicionais, que reunirá as demais informações oficiais que as instituições parceiras venham a fornecer, além de acervos históricos das legislações dos municípios anteriores a implantação do Diário.

 

“Quem ganha é o cidadão. Os prefeitos e demais gestores públicos serão parceiros. Um trabalho desenvolvido coletivamente e que atenderá a Lei da Transparência, garantindo informações confiáveis e de fácil acesso dos cidadãos”, destacou o presidente da Fecam, prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, que assinou o termo de cooperação na presença do procurador-geral de Justiça MP/SC, Fernando Comin, e do procurador de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional do Controle de Constitucionalidade (Ceccon), Davi do Espírito Santo.

 

O ato de assinatura entre todas as entidades foi feira na sede do Ministério Público Estadual. Para o presidente do MPSC, Fernando Comin, “o programa é uma grande contribuição para o controle social, transparência e para que todo cidadão possa ter uma base confiável na consulta das leis municipais".

 

O presidente do CIGA, prefeito de São Martinho, Robson Back, explicou o quanto o DOM/SC será importante base do Programa, lembrando dos resultados que o consórcio obteve desde a sua implantação. “Modernizamos a comunicação de mural que as prefeituras e poderes faziam. Não é mais preciso ir presencialmente até as instituições solicitar informações”, explicou Back.

 

O presidente do CIGA reforçou a proposta de comunicar as ações em novos tempos, com agilidade, redução de custos e transparência. “Criamos a ferramenta que permite clicar e obter acesso aos atos oficiais das prefeituras, câmaras de vereadores, fundações e autarquias”, complementou. Agora, além de estar disponível aos consorciados do CIGA, ela será disponibilizada de forma gratuita ao Programa Transparência Legal.

 

Além de prestação de serviço inteligente, o Diário Oficial dos Municípios de Santa Catarina trata de sustentabilidade. Atualmente, o DOM/SC é o canal de comunicação oficial de 613 organizações públicas, utilizado por 262 municípios catarinenses. O CIGA calcula que, com a utilização do Diário a economia de papel gerada em um mês equivale a duas voltas na terra.

 

A partir de janeiro, segundo o MP, será constituído um grupo de trabalho com representantes das entidades para determinar as etapas a serem cumpridas. O processo de implantação, coordenação e manutenção do Programa Transparência Legal caberá ao Ministério Público de Santa Catarina. A nova ferramenta não substituirá as demais ações em transparência desenvolvidas pelos órgãos públicos. Além do Ministério Público, Fecam e CIGA, o termo de cooperação para o Programa Transparência Legal foi assinado pela Controladoria-Geral do Estado de Santa Catarina (CGE-SC), Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc), Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina (TJ-SC), Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina (TCE-SC), Ministério Público de Contas do Estado de Santa Catarina (MPC-SC), Ordem dos Advogados do Brasil Santa Catarina (OAB-SC), União de Vereadores de Santa Catarina (Uvesc), Observatório Social do Brasil em Santa Catarina (OSB/SC).

 

O acesso ao conteúdo do DOM/SC pode ser realizado gratuitamente pelo link diariomunicipal.sc.gov.br, não é necessário se identificar para ter acesso ao conteúdo.

Análise da página "porttttalll"   

Avaliação: 6 de 10 | Comentários: 11 | Número de avaliações: 21
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa