17/07/2018 - Sobrepreço: Caesb terá de reduzir gastos de Corumbá IV em R$ 1,3 mi
Notícia de licitação
 

Metrópoles
Manoela Alcântara

 

TCDF suspendeu aquisição de válvulas e determinou recálculo do valor. Agora, com queda no preço, GDF poderá concluir licitação do sistema

 

A Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) terá que reduzir em 26,27% o valor da licitação para a compra de válvulas necessárias às obras do sistema Corumbá IV, por determinação do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF). Com isso, a aquisição de equipamentos dos tipos borboleta, retenção, esfera, gaveta e outros sairá R$ 1.372.775,73 mais barata.

 

A estatal lançou pregão eletrônico em maio com valor de R$ 5.225.552,74 para a compra do material, prevista em 10 lotes, mas o TCDF constatou irregularidades na cotação e solicitou revisão. Somente após as considerações da Corte de Contas, a companhia encontrou uma maneira de ajustar o procedimento licitatório, baixando a cifra para R$ 3.852.777,01.

 

Devido à suspeita de irregularidades no processo para aquisição das válvulas por meio de licitação de menor preço, o relator da ação no TCDF, conselheiro José Roberto de Paiva Martins, em decisão monocrática, determinou a suspensão do pregão em 28 de maio. Na ocasião, ele deu 15 dias para a Caesb corrigir o procedimento de pesquisa de preço de mercado sem observância do estabelecido em lei.

 

Durante o prazo, a estatal encaminhou esclarecimentos à Corte e, na última quinta-feira (12/7), os conselheiros autorizaram o retorno do pregão eletrônico, por unanimidade. As válvulas serão usadas nas instalações da estação de tratamento de água (ETA), da elevatória de água tratada (EAT) e da adutora de água tratada (AAT) do sistema Corumbá.

 

Elas precisam ser compradas para o Governo do Distrito Federal (GDF) conseguir terminar dentro do prazo essas obras, essenciais para o abastecimento da capital. A previsão do GDF é que o início da captação de água da usina de Corumbá IV comece em dezembro. Esse é o principal projeto para o combate à crise hídrica do DF. A capital chegou a ter rodízios e racionamento por um ano e cinco meses.

 

Peças difíceis de se encontrar

 

Para o diretor de Comunicação do Sindágua, Igor Pontes Aguiar, é inadmissível um erro dessa natureza na cotação. “Se a pesquisa está errada, se era para ser R$ 100 e não R$ 75, ninguém pode vencer a licitação. A Caesb, mais do que abaixar o valor, precisa explicar o porquê do sobrepreço”, afirmou.

 

Uma das justificativas da Caesb quanto a ter orçado as compras em mais de R$ 5 milhões é a dificuldade de encontrar as válvulas exatas para as obras.

 

“Em razão de os itens apresentarem natureza específica, de fabricação exclusiva, eles não são enquadráveis como bens de prateleira, o que vem a dificultar a obtenção de preço de referência com base em licitações já realizadas”, argumentou a companhia. Nesse sentido, diante da dificuldade encontrada, a Caesb disse ter considerado o menor valor obtido na média dos itens pesquisados.

 

Segundo a estatal, o empenho em promover a redução dos valores ocorreu porque a companhia considera o “sistema produtor Corumbá o principal empreendimento em curso para assegurar o abastecimento de água à população do Distrito Federal”.

 

Com a autorização do Tribunal de Contas do Distrito Federal, o processo pode voltar ao ponto no qual parou: a fase de propostas das empresas. Porém, quando a Caesb retomar o Pregão Eletrônico nº 79/2018, o resultado da licitação só poderá ser homologado após nova verificação do TCDF sobre os preços apresentados.

Análise da página "sobreprecocaesbtera"   

Avaliação: 4 de 10 | Comentários: 19 | Número de avaliações: 37
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa