21/02/2021 - STF pacifica entendimento e facilita venda de estatais como Serpro e Dataprev
Notícia de licitação
 

Gazeta do Povo
Jéssica Sant'Ana

 

Uma decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF) pacificou o entendimento sobre a privatização de estatais. O plenário da Corte decidiu, por 9 votos a 2, que para a venda ou fechamento de empresa pública é suficiente a autorização genérica prevista na lei que instituiu o Programa Nacional de Desestatização, em vigor desde 1990. Não é necessário aprovar um projeto para cada empresa, com exceção daquelas em que a lei que criou a estatal tenha previsto, expressamente, a necessidade do aval do Congresso.

 

Os ministros analisaram uma ação direta de inconstitucionalidade, movida pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT). O partido alegou que a Constituição exige a necessidade de lei específica para a venda e fechamento de cada estatal federal. A sigla também pediu a suspensão dos estudos para privatização da ABGF, Casa da Moeda, Ceitec, Dataprev, Emgea e Serpro, em andamento pelo governo e BNDES.

 

O partido mencionou que a Corte já teria analisado o tema em outras ações, mas que o entendimento ainda não estava pacificado na jurisprudência do STF. Em junho de 2019, por exemplo, os ministros decidiram que a venda de uma estatal exige autorização legislativa e licitação. Somente as subsidiárias e controladas estão dispensadas dessas exigências. Mas a decisão não deixou claro se bastava uma lei genérica ou se era necessário lei específica para cada estatal.

 

Lei do PND garante as privatizações

 

A equipe econômica sempre defendeu que não era necessária uma lei específica, pois a lei que instituiu o Programa Nacional de Desestatização (PND) já seria suficiente. Essa lei estabelece que as estatais de controle direto ou indireto da União podem ser desestatizadas e cabe ao presidente da República editar decreto incluindo uma estatal no PND. Uma vez incluída, o governo pode dar início aos trâmites de venda ou fechamento.

 

No processo, a Advocacia-Geral da União (AGU) afirmou que a Constituição exige lei específica somente para criação de empresa e que a Corte tem decidido em processos semelhantes que a autorização legislativa geral seria suficiente para a desestatização. “Ao contrário do que afirma o requerente, não ‘é polêmica a necessidade de lei específica para a privatização’. Há inúmeros precedentes do Supremo em que foi afirmada a desnecessidade de lei específica nesses casos”, argumentou a AGU, em nome do presidente Jair Bolsonaro.

 

A Procuradoria-Geral da União seguiu a mesma linha. Na sua manifestação, Augusto Aras destacou não ser necessária a criação de lei específica e afirmou que é constitucional a lei que criou o PND, assim como os decretos posteriores do presidente da República que incluíram empresas no programa de desestatização.

 

Voto da relatora e demais ministros

 

Esse também foi o entendimento da relatora do processo, ministra Cármen Lúcia. A ministra explica que a Constituição não foi explícita quanto à necessidade de lei específica ou geral para desestatização. Mas que a lei genérica do PND, editada pelo presidente da República e aprovada pelo Congresso em 1990, possibilitou as desestatizações, tornando desnecessária a criação de leis específicas.

 

“A retirada do Poder Público do controle acionário de uma empresa estatal ou a extinção dessa empresa pelo fim da sua personalidade jurídica é consequência de política pública autorizada pelo Congresso Nacional em previsão legal pela qual se cria o Programa de Desestatização, objetivando a redução da presença do Estado na economia e fixando-se, objetivamente, para os parâmetros a serem seguidos para a efetivação de eventual desestatização pelo Poder Executivo”, escreveu Cármen Lúcia em seu voto.

 

Ela argumentou, ainda, que a autorização legislativa genérica não corresponde à “delegação discricionária e arbitrária ao Chefe do Poder Executivo”. “Essa autorização é pautada em objetivos e princípios que têm de ser observados nas diversas fases deliberativas do processo de desestatização. A atuação do Chefe do Poder Executivo vincula-se aos limites e condicionantes legais previstos”, completou.

 

A única ressalva é para estatais “cuja lei instituidora tenha previsto, expressamente, a necessidade de lei específica para sua extinção ou privatização”. Nesses casos, Cármen Lúcia alerta que o governo deve encaminhar projeto de lei ao Congresso pedidno permissão para venda da estatal. É o caso de Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Eletrobras e de estatais que exerçam atividades de competência exclusiva da União, como os Correios.

 

A relatora foi acompanhada pelos ministros Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Luiz Fux, Marco Aurélio, Gilmar Mendes, Nunes Marques, Roberto Barroso e Rosa Weber. Somente Edson Fachin e Ricardo Lewandowski abriram divergência. Eles alegam que, se a Constituição estabelece a necessidade de lei específica para a criação, também determina o mesmo para fechamento ou venda.

Análise da página "stttffffpacciiiiifiiic"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 22 | Número de avaliações: 43
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
 
 
 
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa