Tarifa do Transporte Coletivo após a Greve dos Caminhoneiros
 
Publicado em 18 de Junho de 2018

Nos últimos dias, o Brasil se viu paralisado pela greve dos caminhoneiros, que protestavam pela redução no preço do diesel. O objetivo foi atingido, e o governo anunciou redução de R$ 0,46 no preço do combustível. Diante desta redução, a pergunta de todos é: como isso afeta a vida do cidadão?

 

A grande maioria da população utiliza veículos a gasolina ou álcool e, portanto, não veria mudança. Entretanto, essa redução impacta indiretamente, como nos custos embutidos no frete de produtos e, principalmente, no transporte público, movido a diesel.

 

Ocorre que o município de Florianópolis se manifestou dizendo que não seria alterada a tarifa, uma vez que os reajustes tarifários são anuais e ocorreriam em novembro, por previsão contratual.

 

Respeitando as possíveis divergências jurídicas, o município está equivocado. Nos contratos administrativos, existem quatro formas de alterar seu valor: reajuste, repactuação, reequilíbrio econômico-financeiro e revisão.

 

O município trata do tema como se a única forma de alterar um contrato fosse pelo reajuste contratual, que é feito a cada 12 meses, contados da proposta na licitação. Mas esta não é a realidade. A Constituição estabelece, em seu artigo 37, XXI, que as condições iniciais da proposta devem ser mantidas e a Lei 8.666/93 prevê, expressamente, o reequilíbrio dos contratos no artigo 65, II, d.

 

Assim, sempre que houver uma alteração significativa nos valores que compõe o custo do contrato, deve haver alteração do preço praticado, para mais ou para menos. É mecanismo básico para assegurar o equilíbrio contratual.

 

Frise-se que a mera variação de custos não gera reequilíbrio, apenas alterações excepcionais. A oscilação natural do mercado deve ser arcada pelas partes e será atualizada apenas anualmente, pelo reajuste.

 

O município tem o dever de verificar qual foi o impacto real do diesel no custo do transporte e repassar esse desconto ao cidadão. É um dever do poder público e um direito do cidadão à modicidade da tarifa.

Análise da página "tarifa-transporte-coletivo"   

Avaliação: 1 de 10 | Comentários: 26 | Número de avaliações: 51
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa