29/08/2018 - União espera arrecadar R$ 95 milhões com terrenos no Distrito Federal
Notícia de licitações
 

Correio Braziliense
Gabriel Ponte*

 

Imóveis estão localizados no DF e interessados devem apresentar proposta hoje a partir das 14h. Os preços variam de R$ 1,555 milhão a R$ 21,973 milhões

 

O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão recebe hoje as propostas para a compra de sete imóveis ofertados pela União no Distrito Federal. Os interessados devem comparecer, a partir das 14h, no auditório térreo do Bloco K da Esplanada dos Ministérios para participar da licitação. De acordo com o edital, publicado no mês passado no Diário Oficial da União (DOU), serão vendidos três terrenos no Lago Sul, três na Asa Norte e um lote no Setor de Garagens Oficiais. O valor total dos imóveis supera os R$ 95 milhões.

 

As áreas variam de 633 a 3,6 mil metros quadrados e os interessados devem desembolsar entre R$ 1,555 milhão e R$ 21,973 milhões. No Lago Sul, bairro nobre da capital, dois terrenos serão ofertados na QL 26 e um, na QL 12, a Península dos Ministros. Na Asa Norte, são três projeções, sendo duas na SQN 113 e uma na SQN 114. Por último, um lote também estará disponível para compra no Setor de Garagens Oficiais, região próxima ao Eixo Monumental.

 

De acordo com Sidrack de Oliveira, secretário do Patrimônio da União (SPU), os cálculos do governo são otimistas. “Esperamos arrecadar os R$ 95,8 milhões, que serão encaminhados, diretamente, para as contas do governo”, disse. Segundo ele, além da atual venda, novas licitações já estão previstas. “Estamos apenas trabalhando os pareceres jurídicos para oficializar. Fazemos uma análise de terrenos que tenham apelo comercial, além de boa localização, para a licitação. Esses imóveis não fazem parte da programação do governo, incorrendo em despesas e invasões”, explicou.

 

Para o professor de finanças públicas da Universidade de Brasília (UnB) Newton Marques, os leilões dos terrenos fazem parte de um projeto econômico em tempos de contas públicas no vermelho. “Essas iniciativas compõem um projeto que o governo Temer, desde o início, abraçou. Com isso, tira-se um pouco da ação do Estado na intervenção da economia, além do que o governo registra problemas na receita e as despesas estão quase que impossibilitadas de serem reduzidas”, lembrou.

 

Quem deseja apresentar proposta para os terrenos deve ficar atento. Os pagamentos serão à vista, com recursos próprios do comprador, ou por meio de um financiamento bancário. Os terrenos podem ser disputados por pessoas físicas, jurídicas ou por meio de um consórcio. Para participar, é obrigatório o depósito da caução prévia correspondendo a 5% do valor final do imóvel pretendido. Ou seja, caso o comprador esteja interessado no terreno do SHIS QL 12, deve desembolsar R$ 505.208 para participar da licitação.

 

Ao final, o lance vencedor será o de maior valor, que deve ser, no mínimo, igual ao já preestabelecido pela União. Caso a proposta não seja escolhida, o valor da caução será devolvido ao participante. Para mais informações, os interessados devem acessar o site www.imóveis.planejamento.gov.br.

 

O progrtama de alienação de imóveis da União foi iniciado em janeiro de 2016, e consiste na venda daqueles que não são utilizados pelo governo. A venda é feita por intermédio da Caixa Econômica Federal.

 

* Estagiário sob supervisão de Rozane Oliveira

Análise da página "uniaoesperaarr"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 14 | Número de avaliações: 27
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa