05/11/2018 - Vereador elabora Lei de “Seguro Anticorrupção” para contratos públicos
Notícia de licitação
 

AM24h

 

Vereador elabora Projeto de Lei Municipal “Seguro Anticorrupção” para contratos públicos e obras e fornecimento de bens ou serviços da Prefeitura

 

Manaus / AM - Todos os anos abrem novas licitações da Prefeitura de Municipal de Manaus (PMM) para contratos de obras e de fornecimento de bens ou serviços. Em decorrência aos excessos de aditamentos e a ausência da conclusão das obras espalhadas pela cidade de Manaus, o vereador Marco Antônio “Chico Preto” (PMN) criou junto ao Movimento Brasil Livre (MBL), o Projeto de Lei que tratará sobre a obrigação da utilização do seguro-garantia de execução de contratos públicos, denominado a essa modalidade e aplicação da Lei como “Seguro Anticorrupção”.

 

Segundo o parlamentar municipal, Chico Preto (PMN), a proposta da PL é garantir que todas as obras públicas tenham maior eficiência e transparência, na conclusão do trabalho. “Nós temos que economizar o dinheiro público, gastar com eficiência, gastar naquilo que é importante para podermos pegar o dinheiro que sobra e aplicar verdadeiramente nas prioridades de uma gestão pública do município como saúde, infraestrutura e educação.”, diz o vereador.

 

De acordo com o Chico Preto (PMN), a proposta desta PL, é que toda obra pública realizada pela Prefeitura de Manaus que vai desde asfaltamento de ruas, construções de creches, escolas, viadutos e dentre outros serviços públicos, das quais são feitas por meio de empresas que ganham e assinam as licitações, devam assinar um contrato que dará a garantia de concluir a obra até o fim, sem nenhum tipo de alteração financeira, ou seja, acrescimento de aditivo. 

 

A ideia do “Seguro Anticorrupção” partiu da organização estadual do MBL que buscou apoio da oposição na Câmara de Manaus, por meio do vereador Chico Preto (PMN). “Temos no Brasil um grande exemplo da Operação Lava-Jato que mostrou claramente os desvios de dinheiro público, justamente por conta das alterações dos contratos de licitações em excesso.”, ressalta o parlamentar.

 

Para o vereador, o custo benefício deste projeto virando Lei, evitará que a Prefeitura de Manaus assine contratos e tenha que aumentar os preços de obras ou outros fornecimentos de serviços, sendo este um dos meios que poderá gerar economia para os cofres públicos.

 

Como funcionará “Seguro Anticorrupção”

 

A empresa que ganhar este contrato vai ter que assinar um seguro com uma seguradora que, vai ser parte interessada em ficar fiscalizando a empresa que contratou o seguro, ou seja, quanto mais a obra ou serviço for fiscalizada será melhor para eficiência, transparência e melhorando para o dinheiro público da cidade de Manaus.

 

Ainda na justificativa do Chico Preto (PMN), a empresa que contratar o seguro ficará sob a responsabilidade de ser fiscalizada desta seguradora em ação conjunta com a Prefeitura de Manaus. “A seguradora e prefeitura, vão ficar de olho juntas na empresa que recebeu a licitação para que não atrase a obra, os pagamentos dos seus funcionários, fornecedores e principalmente que a obra comece, terminando dentro do prazo previsto.”, afirma o vereador.

 

Com asseguradora, caso a obra ou serviço não sejam realizados de acordo com os contratos, quem pagará a diferença é asseguradora da empresa e não mais a Prefeitura do município de Manaus.

 

A PL já foi enviado para alguns conselhos como Conselho Regional Engenharia e Agronomia (CREA), Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Amazonas (CAU), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Câmara de Dirigentes e Lojistas (CDL) e Conselho Federal de Economia (COFECON).

Análise da página "vereadorelllab"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 14 | Número de avaliações: 27
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa