12/03/2021 - No AC, polícia cumpre mais de 20 mandados em operação contra fraude em licitação de compra cestas básicas pela SEE
Notícia de licitação.
   

G1 AC - Rio Branco
Alcinete Gadelha

 

Foram cumpridos pela Operação 'Pratos Limpos' mandados na capital acreana, Rio Branco, Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, e em Fortaleza (CE) segundo o delegado Pedro Resende, que comandou as investigações.

 

A Polícia Civil do Acre cumpriu pelo menos 26 mandados judiciais, durante a "Operação Pratos Limpos", deflagrada nesta sexta-feira (12), em duas cidades do Acre. A operação investiga corrupção em licitações públicas e aponta a compra feita pela Secretaria de Estado de Educação (SEE) de pelo menos 41 mil cestas básicas de forma irregular distribuídas como merenda escolar para pais de alunos. Entre os presos estão dois servidores públicos e quatro empresários.

 

A SEE informou, por meio de nota, colabora com as autoridades policiais, desde que foi solicitada a prestar esclarecimentos sobre a distribuição de cestas básicas a famílias de estudantes inscritos no programa Bolsa Família.

 

Entre os mandados, foram cumpridos seis de prisão e outros 20 de busca e apreensão. Ao todo, seis pessoas foram presas preventivamente e nove veículos apreendidos e contas bancárias de 10 pessoas bloqueadas, segundo o delegado Pedro Resende, responsável pelas investigações. Pelo menos R$ 332 mil foram superfaturados, segundo as investigações.

 

Foram cumpridos mandados na capital acreana, Rio Branco, Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, e em Fortaleza (CE) de acordo com o delegado.

 

"Dois funcionários públicos foram presos, eles tiveram participação direta no que, ao nosso ver, era ilegalidade, por isso foi representada pela prisão destas duas pessoas que eram do setor de compras e contratos daquela secretaria. Quatro pessoas são empresários que participaram do certame de alguma maneira", afirmou o delegado.

 

Resende disse ainda que duas empresas ganharam a licitação e outras cinco teriam participado do processo. Os servidores que foram presos faziam parte de setor de compras da SEE, um é cargo comissionado do governo e outro de carreira e foram eles, segundo a polícia, que fizeram a participação ilícita dentro do certame.

 

"Eles tiveram participação direta no que, ao nosso ver, era ilegalidade, por isso foi representado pela prisão destas duas pessoas que eram do setor de compras e contratos daquela secretaria. Quatro pessoas são empresários que participaram do certame de alguma maneira. Ele é de Rio Branco [o empresário preso em Fortaleza], só que estava residindo em Fortaleza. Nós tivemos apoio da Decor de Fortaleza na prisão dele lá e no sequestro de um veículo em Fortaleza", acrescentou.

 

O delegado disse que esta foi a primeira fase da operação e se houver novas descobertas, novas provas que caracterizem crimes pode de ser desencadeada uma nova etapa da operação.

 

Confira a nota da SEE na íntegra

 

A Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE) colabora com as autoridades policiais, desde que foi solicitada a prestar esclarecimentos sobre a distribuição de cestas básicas a famílias de estudantes inscritos no programa Bolsa Família.

 

Sobre a Operação ‘Pratos Limpos’, na manhã desta sexta-feira, 12, a SEE entende que o trabalho da Polícia Civil é importante para a elucidação dos fatos ora investigados, e reitera que sempre esteve à disposição das autoridades policiais.

 

Informa ainda que todo o processo de aquisição das cestas foi submetido à análise dos órgãos de controle, como por exemplo a Controladoria Interna, a Assessoria Jurídica da Secretaria de Educação e a Procuradoria-Geral do Estado.

 

A distribuição das cestas também foi respaldada pelo Decreto n.º 5.628, de 27 de março de 2020, que oficializou a comissão com a devida finalidade e que é composta pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, pela Casa Civil, pela Secretaria de Estado de Assistência Social dos Direitos Humanos e de Políticas para Mulheres e por outros órgãos públicos afins.

 

A SEE continua à disposição para quaisquer esclarecimentos.

 

Rio Branco, AC, 12 de março de 2020.

 

Mauro Sérgio Ferreira da Cruz

 

Secretário de Educação, Cultura e Esportes

 

Colaborou Eldérico Silva, da Rede Amazônica Acre.

Análise da página "12-3-21-noacpolicia"   

Avaliação: 4 de 10 | Comentários: 19 | Número de avaliações: 37
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
 
 
 
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa